Seguidores

sábado, 20 de agosto de 2016

Igrejas na Alemanha registram conversão em massa após ataques

Historicamente, essas igrejas estavam perdendo cada vez mais membros nos últimos dez anos. Mas, o cenário tem se transformado com o debate sobre o terrorismo islâmico. 
Fundamentalistas e islamistas tem ameaçado os novos cristãos, de acordo com o Portas Abertas.
As igrejas na Alemanha estão celebrando um momento de intensa transformação. É que nos últimos meses, centenas de milhares de refugiados muçulmanos se converteram ao cristianismo. Mesmo que em alguns dos seus países de origem, deixar a religião local para se converter a uma outra seja considerado crime, com a possibilidade de punição até mesmo com a morte, as congregações alemãs (protestantes e católicas) estão com seus bancos lotados.
De acordo com O Globo, em algumas, cerca de 80% dos fiéis são ex-muçulmanos. Gottfried Martens é um pastor que já batizou mais de 1.200 convertidos. Para ele os refugiados desejam abandonar a vida passada e se engajar com os cristãos.
Mas, esse desapego de um passado muçulmano pode estar ligado ao reconhecimento de que a religião extremista leva a atitudes ruins. Daniel Ottenberg é representante do Ministério Portas Abertas. Ele explica que o debate sobre o terrorismo islâmico tem feito com que muitos muçulmanos sintam um alto grau de insegurança em relação à própria religião.
“Eles cresceram na crença de pertencer à melhor religião do mundo, mas começaram a questionar isso depois que, em nome da religião, foram cometidos tantos atos de violência”, ressalta. As organizações muçulmanas estão reagindo com cuidado sobre o crescimento efetivo das duas grandes igrejas oficiais, católica e luterana protestante.
Historicamente, essas igrejas estavam perdendo cada vez mais membros, nos últimos dez anos. Em matéria publicada no Portal Guiame, compartilhamos que muitas igrejas históricas, na Holanda por exemplo, estão sendo vendidas para que seu espaço se transforme em livrarias, cafés e salões.
Perseguição Religiosa
Fundamentalistas e islamistas tem ameaçado os novos cristãos, de acordo com o Portas Abertas que ressalta que muitos convertidos desistem do batismo na última hora com medo de pôr em risco os parentes que ficaram em seus países. Isso pelo fato de que os parentes dos convertidos podem ser alvo de represálias.
“Para os refugiados, o problema não é apenas os conflitos naturais que podem surgir entre os vindos das regiões de crise, traumatizados pela guerra e pela fuga, que vivem com frequência em abrigos lotados. O mais alarmante é o fato de que os fugitivos cristãos e de outras minorias religiosas cada vez mais são alvo da mesma perseguição e discriminação das quais eram vítimas nos seus países de origem”, pontua Daniel Ottenberg.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE O GLOBO

sábado, 13 de agosto de 2016

Descendentes da Tribo de Levi se preparam para atuar no Terceiro Templo em Israel

O Instituto do Templo anunciou a abertura de uma escola de formação de descendentes da tribo de Levi, que deverão trabalhar no eventual retorno aos serviços do Terceiro Templo.
"Estamos muito animados para anunciar este novo passo para o restabelecimento dos serviços no Templo Sagrado. Nós convidamos primeiro os Cohanim [sacerdotes levitas e descendentes da Tribo de Levi] em todo o mundo para apoiar este projeto especial, o que significa um retorno ao seu direito de nascimento", disse um comunicado do diretor do Instituto do Templo, rabino Chaim Richman.

Em um comentário separado, o rabino Richman observou que a "preparação para o templo não é mais um sonho, é uma realidade, em que todos podem desempenhar um papel".
O Instituto do Templo lançou uma campanha de doações voluntárias online para ajudar a financiar a formação sacerdotal, que incluirá cursos sobre como aplicar a tecnologia moderna ao serviço do Templo.

Em um vídeo de divulgação sobre a escola, o diretor educacional Avraham Kahana explica que está pronto para servir no Terceiro Templo, não porque simplesmente decidiu isto, mas também porque segue um legado de sua família.

"Eu sou um Conahim, não porque agora eu fui escolhido para isso, mas porque o meu pai era um Conahim, meu vô era um Conahim e meu bisavô também. Todos eles, até Arão - o sacerdote maior, que foi o primeiro Conahim de Israel - foram da Tribo de Levi. Todos da família de Arão foram Conahins, escolhidos por Deus para serví-Lo no Santo Templo", diz ele.

O Monte do Templo em Jerusalém está atualmente ocupado pela Cúpula da Rocha e a Mesquita Al Aqsa, que os muçulmanos agora reivindicam como seu terceiro local mais sagrado. Muitos judeus e cristãos acreditam que o Terceiro Templo, um dia irá tomar o lugar dos locais sagrados muçulmanos, de acordo com várias profecias bíblicas.

Os muçulmanos acreditam que o profeta Maomé subiu ao céu partindo de uma rocha localizada embaixo da Cúpula (Dourada) da Rocha, que foi construída no ano 685 d.C. Nos primeiros dias de existência do Islamismo, os muçulmanos rezavam virados para o lado de al-Aqsa, antes de mudar a direção das orações para Meca.

De acordo com a Bíblia, a mesquita de al-Aqsa é local da construção do primeiro e segundo templos judaicos, que foram destruídos nos anos 500 a.C. e 70 d.C, respectivamente. Do antigo templo, resta ainda um muro na parte ocidental da região da mesquita: o Muro das Lamentações, que se tornou um popular local de adoração para os judeus.

Celebrações

Uma cerimônia especial foi realizada no dia 10 de março (2016) em Jerusalém, marcando o início do mês de Adar (o sexto na contagem da Criação do mundo) no calendário hebraico.
Na ocasião, o Instituto do Templo se uniu ao Sinédrio para realizar a reconstituição da cerimônia, que seria realizada no Terceiro Templo. A cerimônia também teve caráter educacional para um número de espectadores.

Os sacerdotes usavam roupas feitas de acordo com as especificações bíblicas e os músicos tocaram os instrumentos adequados, incluindo o característico som das trombetas.

FONTE: ISRAEL TODAY


sexta-feira, 12 de agosto de 2016

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Nigéria: Número de cristãos mortos em 2016 já é igual ao número de mortos em 2015.

O número crescente de cristãos mortos na Nigéria levou um líder a comentar que os massacres que ocorreram no primeiro semestre de 2016, já alcançaram o número de mortos de todo o ano de 2015.
Grande parte da Nigéria tornou-se um lugar devastado pela guerra, devido à organização terrorista Boko Haram, assim como outros autores de violência.
A Associação Cristã da Nigéria-americanos (CANAN) pediu ao governo nigeriano para fazer algo sobre o massacre contínuo de cristãos nigerianos.
“O que quer que o governo federal esteja fazendo é demasiado lento ou insignificante em comparação com a repetição dos assassinatos; o governo federal precisa intensificar e tomar ações ousadas para dar aos membros da comunidade cristã no país um sentimento de segurança e de pertença “, disse o Pastor Ade Oyesile, diretor executivo da CANAN.
The Christian Post relata que uma série de outras organizações humanitárias se uniram com CANAN, em que pede o fim da violência e perseguição na Nigéria.
Relatórios surgiram de assassinatos brutais, estupro e fome no país devido ao caos criado por grupos como o Boko Haram.
Assim, muitos cristãos já foram mortos no primeiro semestre de 2016. Oyesile expressou suas preocupações pelo que a segunda metade do ano pode trazer, se algo não for feito.

Embora Oyesile está pedindo ao governo para intervir e acabar com a violência, ele também reconheceu que, finalmente, apenas arrependimento e temor de Deus pode conquistar o ódio do Islã radical.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Deus, por que?

“Por que dura a minha dor continuamente, e a minha ferida me dói e não admite cura? Serias Tu para mim como um ilusório ribeiro, com águas que enganam?” Jeremias 15:18

“Por que um Deus bom permite que coisas más aconteçam?”. O profeta Jeremias em sua angústia tem muitas interrogações que parecem desafiar a sua fé. Aqui os problemas que lhes atingiam eram fruto de vida distanciada de Deus, corrupta, imoral, sem temor e reverência, que agora, fazia com que a nação fosse levada ao cativeiro babilônico. Como admitir que um Deus bondoso e justo retribuísse o mal com o mal? Estaria ele enganado, iludido sobre Deus? Como compreender que aquela correção e disciplina era a expressão do amor de Deus?

O profeta Habacuque também figura entre a lista de homens tementes a Deus, que embora tivessem intimidade e andassem retamente diante do Senhor, em algum momento de suas vidas não compreenderam a maneira como Deus trata e até permite situações desfavoráveis ao seu povo e questionaram a Sua justiça. Certa feita, o profeta faz o seguinte questionamento: “Tu que és tão puro de olhos que não podes ver o mal, e que não podes contemplar a perversidade, por que toleras os perversos e te calas enquanto o ímpio devora aquele que é  justo?. (Hb 1:13)

O justo Jó em seu infortúnio, sofrendo terríveis males como luto, doenças, solidão e calúnias não compreendia o porquê de tanta desgraça; seria ele mesmo o responsável por todo esse mal?: “Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha transgressão e o meu pecado” (Jó 11:23)

As crises que esses santos homens do passado experimentaram revelam que somos limitados em nosso entendimento e que mesmo a graça e o milagre da vida não são suficientes para nos manter gratos e constantes em relação a Deus e Sua vontade e propósitos. É impossível não vivermos crises - elas são até necessárias - porque as respostas sucedem a interrogações e a fé é regada em meio às aflições.

Acreditar em um Deus bom e justo e não saber explicar o porquê do sofrimento não elimina o nosso desconforto - mantêm as crises, mas também revela a nossa fé. Precisamos crer em Deus pelo que Ele é e não pelo que se sofre ou pelo que Ele faz. Precisamos crer que o mal e as crises que nos abatem são apenas uma passagem e o bem que almejamos e esperamos é eterno e não se compara com as momentâneas crises que enfrentamos.


Dúvidas são reflexos da nossa existência terrena e temporal, é a expressão de nossa limitação. No entanto, é preciso saber que a existência e o existir são maiores que toda dúvida quando Deus habita em nós. 

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Conheça 10 atletas cristãos que vão participar dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro

Os Jogos Olímpicos chegaram e com eles a preparação para as competições marcadas por momentos históricos. 
Novas medalhas, conquistas e vitórias prometem emocionar a todos. Um recorde com mais de 10 mil atletas estão definidos para competir em 28 esportes diferentes, representando 206 nações, incluindo algumas novas como o Sul do Sudão e Kosovo.
Entre eles existem centenas, se não milhares de cristãos atrás da medalha olímpica. 

Confira uma lista com 10 desses atletas para ficarmos de olho durante as competições.

Gabby Douglas (EUA, Ginástica Olímpica), Asafa Powell (Jamaica, Atletismo), Leone Nakarawa (Fiji, Rugby de 7), Allyson Felix (EUA, Atletismo), Usain Bolt (Jamaica, Atletismo), Ashleigh Moolman-Pasio (África do Sul, Ciclismo), Bubba Watson (EUA, Golfe), Christine Ohuruogu (Grã-Bretanha, Atletismo), Sunette Viljoen (África do Sul, Lançamento de Dardos), Francena McCorory (EUA, atletismo)


FONTE:  CHRISTIAN TODAY

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Cristão tem os braços amputados por não negar a Cristo

Um cristão do Paquistão teve seus braços cortados por não negar a fé em Cristo Jesus. Os muitos extremistas não aceitam adoração a outro Deus que não seja Alá.

Os países muçulmanos têm algumas regras bem rigorosas. Eles impõem um modo de vestir, de interagir e vão muito além disso; pessoas que não seguem as regras são cruelmente castigadas. Além disso, existem muitos extremistas nesses locais que reprimem os indivíduos de religião diferente – e foi o que aconteceu no Paquistão.
Naquele país, os cristãos paquistaneses precisam ficar calados e escondidos, pois eles sofrem constantes perseguições. Existem relatos de agressões, prisões e até mortes. Dessa vez, um homem cristão foi descoberto, mas ele tinha uma escolha, e mesmo assim preferiu perder os braços a negar sua religião e o nome de Jesus.
A informação desse acontecimento veio da Associação Evangélica de Desenvolvimento Legal. Segundo o comunicado, o homem que se denominava cristão com o nome Aqeel Masih foi levado por extremistas. Ele estava trabalhando em um posto de gasolina na capital Lahore – local do sequestro.
Ele foi levado por extremistas islâmicos, que exigiram que ele renunciasse à sua fé. Mesmo com insultos, agressões e ameaças, Aqeel não negou e teve os dois braços decepados. Atitudes assim são comuns nesses países, mas é crime, e quando descoberto essas pessoas são julgadas. O que foi diferente nessa história é a atitude do homem, o ato de não negar é mais difícil de acontecer, nem mesmo João (discípulo de Jesus) aguentou a pressão. Por causa do acontecido, a Associação Evangélica de Desenvolvimento Legal entrou com uma denúncia em favor do cristão Aqeel Maish. O próprio homem que teve os braços cortados já teria realizado uma notificação contra os extremistas, mas nada adiantou e a polícia local ignorou a denúncia.

Depois do acontecimento, Aqeel voltou à delegacia, onde os policiais o ouviram e também tentaram afastá-lo de jornalistas para que o caso não fosse divulgado. Três suspeitos já foram detidos, mas eles negaram a acusação. Até o momento não houve punição para os agressores. A Associação Evangélica de Desenvolvimento Legal ainda insiste e tenta justiça.