Seguidores

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Casados para sempre

Vale a pena viver renovo...

Você é daqueles que assistem novela à tarde???!!!

"NÃO VALE A PENA VER DE NOVO"


Sérgio Lopes - O Deus que eu conheço

O Deus que eu conheço

Como é Deus? Como você o vê? Quem é Deus para você?

O apostólo São Paulo diz em I Coríntios 8:5, que muitos são os deuses e senhores do homem. "O paganismo povoou a terra e o céu com diferentes ordens de divindade, e os homens imaginaram deuses presidindo sobre as montanhas, rios e flores; sobre enchentes, sobre as pestilências e sobre o fogo; sobre a virtude e sobre o vício; sobre famílias e nações". Pulpit, vol. 19, pg. 283.

O sol e os planetas foram feitos objetos de culto, bem como os signos do Zodíaco. Os panteões dos antigos povos, como Babilônia, Egito, Grécia, e Roma estavam cheios de supostas divindades: Amen, Ápis, Assur, Apolo, Atena, Baal, Bao, Cibele, Camos, Dagon, Diana, Hórus, Isis, Júpiter, Marduk, Mercúrio (ou Hermes), Mitra, Moloque, Osíris, Tamuz e Vênus. 7BC 1067.

Também existem alguns deuses do sistema filosófico: o deus do deísmo, que tem o poder de criar, mas não mantém ligação com suas criaturas. É uma espécie de rei ausente de seu domínio e a ele indiferente. O deus do panteísmo, constituído do universo como um todo. As coisas que vemos: o solo, a água, o ar, os astros e até nós mesmos - tudo é parte deste deus.

Todos estes deuses são criação e imaginação do homem. Refletem idéias e defeitos humanos. Como disse Voltaire: "Desde que Deus criou o homem à Sua imagem tem o homem retribuído à cortezia criando deuses à humana imagem".

Nenhum destes deuses é o Deus que eu conheço - o Deus das Escrituras. O Deus que eu conheço, é o Deus que se revelou ao homem. O que dEle sabemos, pela Bíblia, Ele mesmo o revelou.

1º) O Deus que eu conheço é o Deus criador. Ele é a grande Causa de tudo o que existe. "No princípio criou Deus os céus e a terra". Gênesis 1:1. Muitos alegam a origem do mundo e do vasto universo à ação de forças naturais. Negam que uma Força Superior criou a imensidão do universo, e o nosso planeta - negam a ação de Deus.

O cientista astrofísico, Dr. Jesse L. Geenstein, do Instituto de Tecnologia da California, observa: "Como a matéria veio do nada, é um terrível mistério. Poderia ser isto algo fora da ciência? Tentamos ficar fora da filosofia e da teologia, mas a vezes somos forçados a pensar em termos maiores, a olhar algo fora da ciência". Plain Truth, jan, de 1979, pg. 4-6, 23, 24.

Há um ser que tudo criou - É Deus.

Que confissão! E da parte de um eminente cientista! Não há como explicar a origem do universo independentemente da ação de Deus. Nas palavras majestosas do grande Livro: "No princípio criou Deus os céus e a terra", encontramos a verdade.

2º) O Deus que eu conheço não é apenas o Criador: Ele é também o Mantenedor do universo. Deus criou mediante o Seu Filho, e sustenta a criação igualmente pelo Filho. Como está escrito: "Havendo Deus, outrora falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nesses últimos dias nos falou pelo Filho a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele , que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustenta todas as coisas pela palavra do Seu poder, e depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas alturas". Hebreus 1:1-3. O Deus Filho sustenta todas as coisas pelo Seu poder.

"Por intermédio de agentes naturais, Deus está operando dia a dia, hora a hora, momento a momento, para nos conservar a vida, construir e restaurar-nos" A Ciência do Bom Viver pg. 153.

3º) O Deus que eu conheço é revelado nas Escrituras como um ser santo, perfeito. Ele mesmo disse: "... Eu, o Senhor vosso Deus, Sou santo". Levítico 19:2. E falando dEle, Jesus disse: "... perfeito é o vosso Pai celeste".

Quão maravilhoso! Mesmo em meio a tanta corrupção, as Escrituras surgiram do povo de Deus rodeado de nações que cultuavam deuses corruptos, sanguinários. Mercúrio era o protetor dos ladrões. Baco, o protetor dos ébrios. Para assegurar o favor desses deuses, seus adeptos se entregavam à embriaguês e ao roubo. O Culto de Afrodite ( A Venus dos Romanos), a deusa do amor e da fertilidade, era acompanhado nos templos, por práticas imorais.

O seu santuário em Corinto, na Grécia, tinha cerca de 1.000 prostitutas cultuais. (Catecismo Católico Popular, de Spirago, vol. II pg. 48; 8 BC 223) A influência de tais deuses - ou idéias deles - deve-se o fato que a fornicação era uma quase característica da vida greco-romana(6BC 314). Num mundo assim cheio de corrupção, a Bíblia foi escrita. Mas o Deus nela revelado é um Deus santo e moralmente perfeito. Isto é certamente maravilhoso!

4º) O Deus que eu conheço é também um Deus de amor. O amor de Deus transparece em toda a Bíblia. No Antigo Testamento Ele diz: " Com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atrai". Jeremias 31:3 E o Novo Testamento afirma: ". . .Deus é amor". I São João 4:8. Em Deus o amor é mais do que atributo, mais do que uma qualidade básica: Ele é a sua própria natureza, a Sua essência. Assim, o Seu amor para conosco, seres humanos, não depende do que somos e sim do que Ele é.

Deus mostrou o Seu amor principalmente pela morte de Seu Filho. Como escreveu São Paulo: "Mas Deus prova o Seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores". Romanos 5:8.

Meus queridos amigos, este é o Deus que eu conheço: O Deus que tudo criou e tudo sustenta; o Deus santo, perfeito em todos os Seus caminhos; Deus de amor, que está interessado em nós, que nos deu a salvação, que se compadece de nós e nos presta ajuda; que supre todas as nossas necessidades.

Não quer você hoje, retribuir a esse maravilhoso Deus, que tudo fez por nós, entregando o seu coração?

Abra agora o seu coração. E o Deus que eu conheço o receberá de braços abertos.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Vem aí...!!!

Começa neste domingo

Michael W. Smith - Awesome God

A edificação da Igreja do Senhor

Cuidado como você constrói

Procuramos sempre encorajar a construção: a construção do caráter, a construção de lares e a construção de igrejas. Isto reflete uma ênfase indiscutível nas Escrituras.

O Senhor é um construtor. "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam" (Salmo 127:1).
Cada indivíduo é um construtor. "Todo aquele que vem a mim e ouve as minhas palavras, e as pratica, eu vos mostrarei a quem é semelhante. É semelhante a um homem que, edificando uma casa, cavou, abriu profunda vala e lançou o alicerce sobre a rocha.... Mas o que ouve e não pratica é semelhante a um homem que edificou uma casa sobre a terra sem alicerces" (Lucas 6:47-49).

De modo especial, os evangelistas são construtores. Paulo escreveu aos coríntios: "Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei o fundamento como prudente construtor; e outro edifica sobre ele" (1 Coríntios 3:10). A estas palavras, contudo, ele acrescentou: "Porém, cada um veja como edifica".

O alicerce precisa estar certo. Desde o começo, Paulo minimizou a importância da sabedoria humana, a personalidade e o talento dos professores. Ele atingiu seu auge em 1 Coríntios 3:11. "Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo."

Os materiais precisam estar certos. "Contudo, se o que alguém edifica sobre o fundamento é ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará" (1 Coríntios 3:12-13).
Um templo de madeira, feno e palha pode ser construído rápido e barato. Apelos aos apetites carnais para comida de graça, recreação, divertimento, educação, etc., ajuntarão tais materiais em grandes quantidades. Aqueles que buscam materiais mais caros, limitando-se a pregar "Cristo, e este crucificado", parecerão ser lentos e improdutivos, mas o tempo dirá. Homens de fé não julgam nada "antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará a plena luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações e, então, cada um receberá o seu louvor da parte de Deus" (1 Coríntios 4:5).

A planta precisa estar certa. Paulo continua: "Estas coisas, irmãos, apliquei-as figuradamente a mim mesmo e a Apolo, por vossa causa, para que por nosso exemplo aprendais isto: não ultrapasseis o que está escrito" (1 Coríntios 4:6).

Alguns notáveis exemplos de construção fantasticamente rápida prenderam a atenção de cristãos em anos recentes. Conversões anuais às centenas, reuniões de milhares, ofertas em milhões e zelo sacrificial atingindo os remotos confins da terra levaram muitos observadores a imaginar se estaremos testemunhando um segundo Pentecostes.

Mas só números e publicidade não são prova de aprovação divina. Considere os mórmons, as Testemunhas de Jeová, a Igreja Universal do Reino de Deus e diversos outros ministérios e campanhas de falsos mestres. O mero fato que um projeto alegar ser bíblico não assegura que o procedimento estará em harmonia com a vontade de Deus.

Em numerosos casos de crescimento sensacional, não somente nos anos recentes mas nas últimas décadas, alguns princípios básicos das Escrituras têm sido descuidados, na ávida busca de resultados. Tal construção descuidada não está limitada àqueles que aceitam alguma determinada filosofia de "discipulado" ou "multiplicação". Por toda parte, todos nós precisamos das advertências do Espírito Santo nas Escrituras.

Que jamais fiquemos tão temerosos de enganos que cessamos de construir. Esse seria o maior engano de todos. Mas que nunca nos tornemos tão positivamente zelosos que reajamos desfavoravelmente à divina advertência: "Cada um veja como edifica".

Heloísa Rosa - Não posso explicar

Humor - A paz, irmão


quinta-feira, 27 de maio de 2010

Jeremia - tradução do finlandês para o português

Jeremia (Jer. 1:6-10)
Jo ennenkuin minä valmistin sinut äidin kohdussa,
minä sinut tunsin,
ja ennenkuin sinä aidistä synnit,
Minä sinut pyhtin
minä asetin sinut
kansojen profeetaski
Voi Herra, Herra!
Katso, en minä kykene puhumaan
silä minä olen nuori.
Äla sano 'Minä olen nuori'
vaan mene, minne ikinä minä sinut lähetän
ja puru kaikki, mitä minä käsken sinun puhua
Älä pelkää heita,
sillä minä olen sinu kanssasi
ja pelastan sinut.
Ja herra ojensi kätensä
Ja kosketti minun suutani
Ja sanoi: "Katso, minä panen sanani
sinun suuhusi".
Katso, minä asetan sinut
Tänä paivänä yli kanjosen ja valtakuntain
Repimään maasta ja hajottamaan,
Hävittamään ja kukistamaan
Rakentamaan ja itsutamaan

(2Moos 4:10-12)
Oi Herra, minä en ole puhetaitoinen mies;
en ole ollut ennen enkä senkään jalkeen,
kun sinä minulla on hidas puhe ja kankea kielli.
Ja herra sanoi minulle:
Kuka on antanut ihmiselle suun,
tahi kuka tekee mikän tai kuuron,
näkevän tai sokean? Enkö minä, Herra?
Menes siis nyt, minä olen sinun suusi apuna
ja opetan sinulle,
mitä sinun on puhuttava
(Hes 33:8-9)
Jos minä sanon jumalatomalle:
jumalaton, sinun on kuolemalla kuoltava,
mutta sinä et puhu varoittaakesi jumalatonta
hänen tiestänsä,
niin se jumalatan kuolee synnisänsä,
mutta hänen verensä minä vaadin sinun kädestäsi.
Mutta jos sinä varoitat jumalatonta hänen tiestänsä
etta hän kääntysi siltä pois,
eikä hän tieltänsä käänny
niin hän kuolee synninsänsä
mutta sinä olet sielusi pelastanut.
Jeremias
(Jr 1:6-10)


Mesmo antes de forma-lo no ventre,
Eu te conheci,
Antes de voce nascer


Te consagrei
e o designei
profeta às nações


Soberano Senhor!
Eis que não sei falar
pois ainda sou jovem


Nao digas "eu sou jovem"
mas vá aonde quer que eu O enviar
e dirá tudo o que Eu ordenar
Não tenha medo deles
Pois Eu estou com você
para guarda-lo

O Senhor estendeu a mão
e tocou a minha boca
e disse: Agora ponho as minhas palavras
em sua boca"

Hoje te dou autoridade
sobre naçoes e reinos
para arrancar, despedaçar
arruinar e destruir
para edificar e plantar

Ex 4:10-12
Oh Senhor eu não sou homem de eloqüência
Nem antes nem agora que falaste
ao teu servo, não consigo falar bem!

O Senhor me disse:
"Quem deu boca ao homem?
Quem o fez mudo ou surdo? Quem lhe concede vista
ou o torna cego? Não sou eu, O Senhor?
Agora vá, eu estarei com você
e vou lhe ensinar
o que precisara dizer"

Ez 33:8-9
Quando eu disser ao impio
que é certo que ele morrerá
mas você não falar para dissuadi-lo
de seus caminhos
aquele impio morrerá pelo seu pecado
mas o sangue dele eu requererei de tua mão
Mas se voce advertir para desviar
de seus caminhos
e ele nao se desviar
ele morrerá pelo seu pecado
mas você salvou a sua alma

Hb - Jeremia

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Vaso de alabastro - Fernanda Brum

A construção de um vaso

PRIMEIRA FASE = ESCOLHA DO BARRO .
DENTRE 200 TIPOS ,SOMENTE 8 SERVEM PRA FAZER VASO.SE VOÇÊ FOI ESCOLHIDO POR DEUS,SIGNIFICA QUE VOÇÊ È UM BOM BARRO !

SEGUNDA FASE = CURTIMENTO .
È QUANDO PARACE QUE DEUS FALA COM TODO MUNDO MENOS COM VOÇÊ,QUANTO MAIS O BARRO FICA CURTINDO,MAIOR LIGA FARÀ,E DEPENDE DO VASO QUE DEUS QUER FAZER DE VOÇÊ .

TERCEIRA FASE = PISAMENTO .
DEPOIS DE CURTIR , TALVEZ DEPOIS DE MUITO TÊMPO, È COLOCADO PARA SER PISADO , PRA QUE TODO AR SEJA TIRADO . È QUANDO PARECE QUE TODOS FALAM MAL DE VOÇÊ , NINGUÊM TE ENTENDE , JULGAM SUAS ATITUDES . ISSO ACONTECE QUANDO DEUS TÊM PRESSA EM FAZER O VASO .

QUARTA FASE = MISTURA .
AGORA O BARRO È MISTURADO COM PALHA FINA,PEDRA TRITURADA E CERÂMICA . UM VASO SEM ESSES INGREDIÊNTE , È UM VASO FRACO,QUEBRA FÀCIL . E ELE QUER VASO PARA USO DIÀRIO .

QUINTA FASE = MOLDE
DEPOIS DE TODOS OS PROCESSOS, O OLEIRO LEVA O BARRO PARA SER MOLDADO VASO . E QUANDO ESTIVERMOS PRONTOS , ELE NOS ENCHE COM SEU ESPIRITO E NOS USA EM SUAS MÂOS

Apocalipse 16 & Templo Soul - Último dia

Olhos clínicos que contagiam

Você já parou pra pensar quantas vezes nos pegamos analisando a vida e o comportamento de nosso próximo como se fossemos especialistas, psicólogos, psicanalistas, ou qualquer profissional nessa área. Agimos como se já soubéssemos que devido a tal personalidade de alguém seu próximo passo será esse ou aquele, dizemos muitas vezes até que essa atitude ou aquela não terá futuro por acharmos que o conhecemos a tal ponto de sabermos qual será seu próximo fracasso, sua próxima desistência, de acordo com suas características. Muitos líderes nestes dias infelizmente tem se contaminado com os “olhos clínicos” que atingem sua capacidade de acreditar nas pessoas, de confiar, ou até mesmo de incentivar ou investir nelas, gerando então a desconfiança, a insegurança e o medo. Isso me faz imaginar a sena de um hospital, onde o paciente aguarda com expectativa seu resultado de um exame de câncer, claro que ele deseja que este seja negativo, pois ele acredita, ele sonha, ele tem suas esperanças, mas o médico mesmo antes de abrir o resultado, olha pra ele e já logo julga que o resultado será positivo, devido a sua cara magra, seu trejeito de doente, aquele caroço que não se sabe ainda da onde surgiu, os antigos exames que são suspeitos, os sintomas etc. Nunca se sabe o que encontraremos dentro do envelope dessa pessoa, se o resultado será positivo ou negativo, não será pela sua aparência nem pelo que achamos que conhecemos dela que descobriremos, se os médicos erram muitas vezes, quanto mais pessoas como nós.
O Objetivo de Jesus ao escolher seus discípulos era de que Eles continuassem sua missão de expandir o Reino de Deus na terra, mas sua escolha foi além das expectativas humanas, além do que as pessoas falariam, além até mesmo do que Ele via em cada um dos 12. Jesus verdadeiramente correu um grande risco ao tê-los escolhido, pois eles não tinham o perfil que nós talvez julgaríamos “ideal” para tamanha responsabilidade.
Alguns do time escolhido por Jesus:
Ao começar por Mateus, que tinha uma péssima reputação, conhecido por sua corrupção.
Tomé, tinha a paranóia da insegurança, só acreditava no que tocava, desconfiava de tudo e de todos, o mundo tinha que girar em torno das suas verdades.
Pedro, era o mais forte, determinado e sincero do grupo, mas era inculto, iletrado, intolerante, irritado, agressivo, inquieto, impaciente, indisciplinado, não suportava ser contrariado, não planejava o futuro, vivia somente em função dos prazeres do presente, além de tudo era imperativo e extremamente ansioso, repetia os mesmo erros com freqüência, mas ele foi escolhido.
João era o mais jovem, amável, prestativo e altruísta, porém ambicioso irritado, intolerante, intempestivo, nunca se colocava no lugar dos outros e não pensava antes de reagir, almejava a melhor posição entre os discípulos. A personalidade de João tinha paradoxos, era simples e explosiva, amável e flutuante.
Judas Iscariotes era moderado, dosado, discreto, equilibrado e sensato, não há elemento que indiquem que se tratava de uma pessoa tensa, ansiosa e inquieta, nunca tomou uma atitude agressiva ou impensada, jamais foi repreendido por seu Mestre.
Se analisarmos as características destes discípulos citados acima, tenho certeza de que não aprovaríamos nenhum, exceto Judas que aparentemente é o mais polido, mas foi exatamente ele quem traiu o Mestre. Os discípulos tinham muitos defeitos em sua personalidade, mas se Jesus tivesse apontado somente para seus erros, Ele nunca descobriria o time maravilhoso que estava com Ele, Jesus simplesmente deu a eles a oportunidade de serem pessoas excelentes, Jesus viu algo neles e quando ninguém os escolheria, Jesus os Escolheu, quando ninguém acreditaria neles , Jesus acreditou, e não foi aos melhores sacerdotes que Jesus confiou sua missão, mas foi a estes sem nenhuma capacidade aos olhos clínicos de alguém.
Muitos de nós ao sermos contagiados pelos olhos clínicos de hoje, deixamos pessoas deslumbrantes e cheias de potencial se esconderem sentadas nos bancos de suas igrejas, angustiadas por quererem fazer mais, por quererem expandir aquilo que há dentro delas, mas nós talvez pensamos que elas não estão preparadas, ou precisam ser aperfeiçoadas, etc. Os discípulos de Jesus foram aperfeiçoados a medida com que andavam com ele, depois de deixar tudo e segui-lo Jesus fez deles grandes homens .
Um dia alguém me disse que sabia que eu ia chegar até aqui, pois eu lhes passava isso em meus olhos, eu transmitia o desejo de ir, e realmente não tinham duvidas de que eu nascera pra isso, mas mal sabiam eles que no caminho existiram pessoas que me apontavam e jogavam pedras nos meus sonhos, existiram pessoas que não acreditavam em meu ministério, e chegaram a me dizer isso pessoalmente, imagine se você estivesse na sala daquele médico e antes mesmo de abrir o resultado ele te dissesse, eu não preciso abrir o envelope pra saber que você esta doente e vai morrer dentro de alguns dias, o que você faria? Eu simplesmente não acreditei no que as pessoas pensavam de mim eu sabia que o envelope da minha vida continha algo que as pessoas desconheciam, existia la dentro um sonho que somente Jesus podia ver, e eu acreditei neste sonho.
O que precisamos enxergar é que erramos ao julgar a capacidade de alguém pois nenhum de nós estamos prontos para nada, ou aperfeiçoados para fazer algo, a verdade é que Jesus é o especialista em usar as coisas que não são para confundir as que são, Depois de ter negado Jesus três vezes, Pedro foi um dos grandes homens usados por Deus e converteu muitas pessoas, depois de tantos erros e defeitos que descobrimos em nós ao longo do caminho, é que veremos quão grande é o poder de Deus para nos transformar e acreditar em nós mesmo sendo simples pecadores.
Existem pessoas que precisam de nossa ajuda para serem grandes homens e exercerem sua missão, precisam de uma palavra de confiança, ainda que elas venham a errar, lembre-se que nós também erramos um dia, e mesmo assim Ele nos escolheu, e nos confiou o nome de “Cristãos”que quer dizer discípulos ou imitadores de Cristo. Lutemos para ser como Ele e não vamos jamais envergonhar seu nome .
Obs. O estudo sobre a qualidade e desqualificações dos discípulos citados acima foram estudadas e escritas por Augusto Cury em seu livro “Nunca desista de seus sonhos”.


Por missionários Jefferson e Anibelli

terça-feira, 25 de maio de 2010

A crucificação de Jesus a partir de um ponto de vista médico



de C. Truman Davis


Lendo o livro de Jim Bishop “O Dia Que Cristo Morreu”, eu percebi que durante vários anos eu tinha tornado a crucificação de Jesus mais ou menos sem valor, que havia crescido calos em meu coração sobre este horror, por tratar seus detalhes de forma tão familiar – e pela amizade distante que eu tinha com nosso Senhor. Eu finalmente havia percebido que, mesmo como médico, eu não entendia a verdadeira causa da morte de Jesus. Os escritores do evangelho não nos ajudam muito com este ponto, porque a crucificação era tão comum naquele tempo que, aparentemente, acharam que uma descrição detalhada seria desnecessária. Por isso só temos as palavras concisas dos evangelistas “Então, Pilatos, após mandar açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado.”
Eu não tenho nenhuma competência para discutir o infinito sofrimento psíquico e espiritual do Deus Encarnado que paga pelos pecados do homem caído. Mas parecia a mim que como um médico eu poderia procurar de forma mais detalhada os aspectos fisiológicos e anatômicos da paixão de nosso Senhor. O que foi que o corpo de Jesus de Nazaré de fato suportou durante essas horas de tortura?
Dados históricos
Isto me levou primeiro a um estudo da prática de crucificação, quer dizer, tortura e execução por fixação numa cruz. Eu estou endividado a muitos que estudaram este assunto no passado, e especialmente para um colega contemporâneo, Dr. Pierre Barbet, um cirurgião francês que fez uma pesquisa histórica e experimental exaustiva e escreveu extensivamente no assunto.
Aparentemente, a primeira prática conhecida de crucificação foi realizado pelos persas. Alexandre e seus generais trouxeram esta prática para o mundo mediterrâneo–para o Egito e para Cartago. Os romanos aparentemente aprenderam a prática dos cartagineses e (como quase tudo que os romanos fizeram) rapidamente desenvolveram nesta prática um grau muito alto de eficiência e habilidade. Vários autores romanos (Lívio, Cícero, Tácito) comentam a crucificação, e são descritas várias inovações, modificações, e variações na literatura antiga.
Por exemplo, a porção vertical da cruz (ou “stipes”) poderia ter o braço que cruzava (ou “patibulum”) fixado cerca de um metro debaixo de seu topo como nós geralmente pensamos na cruz latina. A forma mais comum usada no dia de nosso Senhor, porém, era a cruz “Tau”, formado como nossa letra “T”. Nesta cruz o patibulum era fixado ao topo do stipes. Há evidência arqueológica que foi neste tipo de cruz que Jesus foi crucificado. Sem qualquer prova histórica ou bíblica, pintores Medievais e da Renascença nos deram o retrato de Cristo levando a cruz inteira. Mas o poste vertical, ou stipes, geralmente era fixado permanentemente no chão no local de execução. O homem condenado foi forçado a levar o patibulum, pesando aproximadamente 50 quilos, da prisão para o lugar de execução.
Muitos dos pintores e a maioria dos escultores de crucificação, também mostram os cravos passados pelas palmas. Contos romanos históricos e trabalho experimental estabeleceram que os cravos foram colocados entre os ossos pequenos dos pulsos (radial e ulna) e não pelas palmas. Cravos colocados pelas palmas sairiam por entre os dedos se o corpo fosse forçado a se apoiar neles. O equívoco pode ter ocorrido por uma interpretação errada das palavras de Jesus para Tomé, “vê as minhas mãos”. Anatomistas, modernos e antigos, sempre consideraram o pulso como parte da mão.
Um titulus, ou pequena placa, declarando o crime da vítima normalmente era colocado num mastro, levado à frente da procissão da prisão, e depois pregado à cruz de forma que estendia sobre a cabeça. Este sinal com seu mastro pregado ao topo teria dado à cruz um pouco da forma característica da cruz latina.
O suor como gotas de sangue
O sofrimento físico de Jesus começou no Getsêmani. Em Lucas diz: “E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra.” (Lc 22:44) Todos os truques têm sido usados por escolas modernas para explicarem esta fase, aparentemente seguindo a impressão que isto não podia acontecer. No entanto, consegue-se muito consultando a literatura médica. Apesar de muito raro, o fenômeno de suor de sangue é bem documentado. Sujeito a um stress emocional, finos capilares nas glândulas sudoríparas podem se romper, misturando assim o sangue com o suor. Este processo poderia causar fraqueza e choque. Atenção médica é necessária para prevenir hipotermia.
Após a prisão no meio da noite, Jesus foi levado ao Sinédrio e Caifás o sumo sacerdote, onde sofreu o primeiro traumatismo físico. Jesus foi esbofeteado na face por um soldado, por manter-se em silêncio ao ser interrogado por Caifás. Os soldados do palácio tamparam seus olhos e zombaram dele, pedindo para que identificasse quem o estava batendo, e esbofeteavam a Sua face.
A condenação
De manhã cedo, Jesus, surrado e com hematomas, desidratado, e exausto por não dormir, é levado ao Pretório da Fortaleza Antônia, o centro de governo do Procurador da Judéia, Pôncio Pilatos. Você deve já conhecer a tentativa de Pilatos de passar a responsabilidade para Herodes Antipas, tetrarca da Judéia. Aparentemente, Jesus não sofreu maus tratos nas mãos de Herodes e foi devolvido a Pilatos. Foi em resposta aos gritos da multidão que Pilatos ordenou que Bar-Abbas fosse solto e condenou Jesus ao açoite e à crucificação.
Há muita diferença de opinião entre autoridades sobre o fato incomum de Jesus ser açoitado como um prelúdio à crucificação. A maioria dos escritores romanos deste período não associam os dois. Muitos peritos acreditam que Pilatos originalmente mandou que Jesus fosse açoitado como o castigo completo dele. A pena de morte através de crucificação só viria em resposta à acusação da multidão de que o Procurador não estava defendendo César corretamente contra este pretendente que supostamente reivindicou ser o Rei dos judeus.
Os preparativos para as chicotadas foram realizados quando o prisioneiro era despido de suas roupas, e suas mãos amarradas a um poste, acima de sua cabeça. É duvidoso se os Romanos teriam seguido as leis judaicas quanto às chicotadas. Os judeus tinham uma lei antiga que proibia mais de 40 (quarenta) chicotadas.
O açoite
O soldado romano dá um passo a frente com o flagrum (açoite) em sua mão. Este é um chicote com várias tiras pesadas de couro com duas pequenas bolas de chumbo amarradas nas pontas de cada tira. O pesado chicote é batido com toda força contra os ombros, costas e pernas de Jesus. Primeiramente as pesadas tiras de couro cortam apenas a pele. Então, conforme as chicotadas continuam, elas cortam os tecidos debaixo da pele, rompendo os capilares e veias da pele, causando marcas de sangue, e finalmente, hemorragia arterial de vasos da musculatura.
As pequenas bolas de chumbo primeiramente produzem grandes, profundos hematomas, que se rompem com as subseqüentes chicotadas. Finalmente, a pele das costas está pendurada em tiras e toda a área está uma irreconhecível massa de tecido ensangüentado. Quando é determinado, pelo centurião responsável, que o prisioneiro está a beira da morte, então o espancamento é encerrado.
Então, Jesus, quase desmaiando é desamarrado, e lhe é permitido cair no pavimento de pedra, molhado com Seu próprio sangue. Os soldados romanos vêm uma grande piada neste Judeu, que se dizia ser o Rei. Eles atiram um manto sobre os seus ombros e colocam um pau em suas mãos, como um cetro. Eles ainda precisam de uma coroa para completar a cena. Um pequeno galho flexível, coberto de longos espinhos é enrolado em forma de uma coroa e pressionado sobre Sua cabeça. Novamente, há uma intensa hemorragia (o couro do crânio é uma das regiões mais irrigadas do nosso corpo).
Após zombarem dele, e baterem em sua face, tiram o pau de suas mãos e batem em sua cabeça, fazendo com que os espinhos se aprofundem em sua cabeça. Finalmente, cansado de seu sádico esporte, o manto é retirado de suas costas. O manto, por sua vez, já havia aderido ao sangue e grudado nas feridas. Como em uma descuidada remoção de uma atadura cirúrgica, sua retirada causa dor toturante. As feridas começam a sangrar como se ele estivesse apanhando outra vez.
A cruz
Em respeito ao costume dos judeus, os romanos devolvem a roupa de Jesus. A pesada barra horizontal da cruz á amarrada sobre seus ombros, e a procissão do Cristo condenado, dois ladrões e o destacamento dos soldados romanos para a execução, encabeçado por um centurião, começa a vagarosa jornada até o Gólgota. Apesar do esforço de andar ereto, o peso da madeira somado ao choque produzido pela grande perda de sangue, é demais para ele. Ele tropeça e cai. As lascas da madeira áspera rasgam a pele dilacerada e os músculos de seus ombros. Ele tenta se levantar, mas os músculos humanos já chegaram ao seu limite.
O centurião, ansioso para realizar a crucificação, escolhe um observador norte-africano, Simão, um Cirineu, para carregar a cruz. Jesus segue ainda sangrando, com o suor frio de choque. A jornada de mais de 800 metros da fortaleza Antônia até Gólgota é então completada. O prisioneiro é despido – exceto por um pedaço de pano que era permitido aos judeus.
A crucificação
A crucificação começa: Jesus é oferecido vinho com mirra, um leve analgésico. Jesus se recusa a beber. Simão é ordenado a colocar a barra no chão e Jesus é rapidamente jogado de costas, com seus ombros contra a madeira. O legionário procura a depressão entre os osso de seu pulso. Ele bate um pesado cravo de ferro quadrado que traspassa o pulso de Jesus, entrando na madeira. Rapidamente ele se move para o outro lado e repete a mesma ação, tomando o cuidado de não esticar os ombros demais, para possibilitar alguma flexão e movimento. A barra da cruz é então levantada e colocado em cima do poste, e sobre o topo é pregada a inscrição onde se lê: “Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus”.
O pé esquerdo agora é empurrado para trás contra o pé direito, e com ambos os pés estendidos, dedos dos pés para baixo, um cravo é batido atraves deles, deixando os joelhos dobrados moderadamente. A vítima agora é crucificada. Enquanto ele cai para baixo aos poucos, com mais peso nos cravos nos pulsos a dor insuportável corre pelos dedos e para cima dos braços para explodir no cérebro – os cravos nos pulsos estão pondo pressão nos nervos medianos. Quando ele se empurra para cima para evitar este tormento de alongamento, ele coloca seu peso inteiro no cravo que passa pelos pés. Novamente há a agonia queimando do cravo que rasga pelos nervos entre os ossos dos pés.
Neste ponto, outro fenômeno ocorre. Enquanto os braços se cansam, grandes ondas de cãibras percorrem seus músculos, causando intensa dor. Com estas cãibras, vem a dificuldade de empurrar-se para cima. Pendurado por seus braços, os músculos peitorais ficam paralisados, e o músculos intercostais incapazes de agir. O ar pode ser aspirado pelos pulmões, mas não pode ser expirado. Jesus luta para se levantar a fim de fazer uma respiração. Finalmente, dióxido de carbono é acumulado nos pulmões e no sangue, e as cãibras diminuem. Esporadicamente, ele é capaz de se levantar e expirar e inspirar o oxigênio vital. Sem dúvida, foi durante este período que Jesus consegui falar as sete frases registradas:
Jesus olhando para os soldados romanos, lançando sorte sobre suas vestes disse: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. “ (Lucas 23:34)
Ao ladrão arrependido, Jesus disse: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.” (Lucas 23:43)
Olhando para baixo para Maria, sua mãe, Jesus disse: “Mulher, eis aí teu filho.” E ao atemorizado e quebrantado adolescente João, “Eis aí tua mãe.” (João 19:26-27)
O próximo clamor veio do início do Salmo 22, “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”
Ele passa horas de dor sem limite, ciclos de contorção, câimbras nas juntas, asfixia intermitente e parcial, intensa dor por causa das lascas enfiadas nos tecidos de suas costas dilaceradas, conforme ele se levanta contra o poste da cruz. Então outra dor agonizante começa. Uma profunda dor no peito, enquanto seu pericárdio se enche de um líquido que comprime o coração.
Lembramos o Salmo 22 versículo 14 “Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim.”
Agora está quase acabado – a perda de líquidos dos tecidos atinge um nível crítico – o coração comprimido se esforça para bombear o sangue grosso e pesado aos tecidos – os pulmões torturados tentam tomar pequenos golpes de ar. Os tecidos, marcados pela desidratação, mandam seus estímulos para o cérebro.
Jesus clama “Tenho sede!” (João 19:28)
Lembramos outro versículo do profético Salmo 22 “Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte.”
Uma esponja molhada em “posca”, o vinho azedo que era a bebida dos soldados romanos, é levantada aos seus lábios. Ele, aparentemente, não toma este líquido. O corpo de Jesus chega ao extremo, e ele pode sentir o calafrio da morte passando sobre seu corpo. Este acontecimento traz as suas próximas palavras – provavelmente, um pouco mais que um torturado suspiro “Está consumado!”. (João 19:30)
Sua missão de sacrifício está concluída. Finalmente, ele pode permitir o seu corpo morrer.
Com um último esforço, ele mais uma vez pressiona o seu peso sobre os pés contra o cravo, estica as suas pernas, respira fundo e grita seu último clamor: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!” (Lucas 23:46).
O resto você sabe. Para não profanar a Páscoa, os judeus pediam para que o réus fossem despachados e removidos das cruzes. O método comum de terminar uma crucificação era por crucificatura, quebrando os ossos das pernas. Isto impedia que a vítima se levantasse, e assim eles não podiam aliviar a tensão dos músculos do peito e logo sufocaram. As pernas dos dois ladrões foram quebradas, mas, quando os soldados chegaram a Jesus viram que não era necessário.
Conclusão
Aparentemente, para ter certeza da morte, um soldado traspassou sua lança entre o quinto espaço das costelas, enfiado para cima em direção ao pericárdio, até o coração. O verso 34 do capítulo 19 do evangelho de João diz: “E imediatamente verteu sangue e água.” Isto era saída de fluido do saco que recobre o coração, e o sangue do interior do coração. Nós, portanto, concluímos que nosso Senhor morreu, não de asfixia, mas de um enfarte de coração, causado por choque e constrição do coração por fluidos no pericárdio.
Assim nós tivemos nosso olhar rápido – inclusive a evidência médica – daquele epítome de maldade que o homem exibiu para com o Homem e para com Deus. Foi uma visão terrível, e mais que suficiente para nos deixar desesperados e deprimidos. Como podemos ser gratos que nós temos o grande capítulo subseqüente da clemência infinita de Deus para com o homem – o milagre da expiação e a expectativa da manhã triunfante da Páscoa.

C. Truman Davis é um Oftalmologista nacionalmente respeitado, vice-presidente da Associação Americana de Oftalmologia, e uma figura ativa no movimento de escolas Cristãs. Ele é o fundador e presidente do excelente Trinity Christian School em Mesa, Arizona, e um docente do Grove City College.

Missão Níger

Se você desejar entrar em contato com o casal de missionários Anibelli e Jeferson, é só clicar no link de blogs ao lado - Missão Niger
Lá você poderá acompanhar o trabalho que estes queridos irmãos tem desenvolvido ali no Niger.

Missões - isso também diz respeito a você!!!

Israel & New Breed - Another Level

segunda-feira, 24 de maio de 2010

O véu rasgado

Mt 27:50,51 "E Jesus clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras."

1º.) Para entendermos a história dos véus que estavam no Tabernáculo, e depois no Templo, temos que entender porque Deus pediu que se construísse.

2º.) Não devemos esquecer qual era o significado dos véus e porque existiam. Por que Deus ordenou que fossem postos em sua Casa? - A resposta é simples: Separação. O Véu dizia que existiam obstáculos ao homem para se chegar a Deus. 3º.) Mas Jesus deu o brado de vitória na Cruz, "Está Consumado!" e, ao entregar seu espírito ao Pai, então a terra começa a tremer, as rochas se partem... E, o VÉU DO TEMPLO SE RASGA EM DUAS PARTES, DE ALTO A BAIXO.

4º.) E, esta é a Mensagem que vos prego nesta rica oportunidade: LIÇÕES DO VÉU RASGADO (Mt 27:50,51)

1. A LIÇÃO DO CAMINHO INAUGURADO

a. Aquele véu por muitos séculos pregava uma só mensagem: "Todos pecaram e separados estão da Glória de Deus" (Rm 3:23) "Os vossos pecados fazem separação entre vós e o vosso Deus" (Is 59:2).

b. Desde que o homem pecou, Deus se dispôs a preparar outra vez o caminho de volta para o homem.

c. Jesus na Cruz abriu o caminho com seu Sangue. O escritor aos Hebreus compara o véu rasgado com a carne do Senhor (rasgada na Cruz), Hb 10:20.

d. Caminho Construído, chega o momento da inauguração (Ilustração: A fita de inauguração).

e. Que maravilha! O Caminho está pronto!

Hoje você pode ter acesso a Deus - Jo 14:6

Hoje você pode ser salvo - Jo 10:9

Hoje você pode ir até a Sala do trono - Hb 4:14

Hoje você pode ser perdoado e justificado - Rm 5:1,2

Hoje você pode chegar ao coração do Pai - Ef 2:18

Hoje você pode tomar posse das bênçãos - Ap 3:8

Hoje você pode entrar no Santo dos Santos - Hb 10:19,20

2. A LIÇÃO DA SALVAÇÃO QUE VEM DO ALTO

a. Consideremos como era este Véu: Ex 26:31-33. "Depois, farás um véu de pano azul, e púrpura, e carmesim, e linho torcido; com querubins de obra prima se fará. E o porás sobre quatro colunas de madeira de cetim cobertas de ouro, sobre quatro bases de prata; seus colchetes serão de ouro. Pendurarás o véu debaixo dos colchetes e meterás a arca do Testemunho ali dentro do véu; e este véu vos fará separação entre o lugar santo e o lugar santíssimo."

b. Alguns fatos que são relevantes sobre o Véu sendo rasgado no momento que Jesus morreu:

1º.) Deus estava dizendo para o véu: "Aqui termina a tua missão e o teu ofício de séculos." Ao ser rasgado, ficou ali suspenso, porém a visão de todos podia penetrar através dele e além dele. Algo maravilhoso acontecera: A separação entre Deus e o homem já não mais existia! O véu desmantelou-se no seu próprio lugar, diante do Santo dos Santos - como quem se demitia de seu ofício.

2º.) O véu não rasgou-se por processo natural de apodrecimento do tecido, notemos que se partiu ao meio em duas partes de forma divinamente uniforme. E, que o véu sendo rasgado, não caiu em pedaços.

3º.) O véu não sofreu nenhuma intervenção humana ou animal. O véu tinha em torno de 18 metros de altura. O historiador judeu Flávio Josefo nos informa que este véu tinha 12 cm de grossura - e que dois cavalos puxando o véu (um de cada lado), não conseguiriam rasgá-lo.

4º.) O véu foi rasgado de alto a baixo - Mt 27:51. A Bíblia não diz que foi rasgado de baixo para cima.

c. QUE LIÇÕES ESTA VERDADE NOS DÁ?

1ª.) Que a Salvação vem do Alto - Salmo 3:8 - Ml 4:2 - Lc 1:78 - Tg 1:17 - Pv 18:10 - Sl 91:1 - Cl 3:1,2

2a.) Que a Salvação do Alto é o próprio Jesus - Lc 2:8-11 - Jo 1:14 - Fp 2:5-11 - 2 Co 8:9

3. A LIÇÃO DA COMUNHÃO RESTAURADA

a. Lv 21:23 "Porém até ao Véu não entrará..."

b. O pecado trouxe separação. Jesus veio restituir a Comunhão. Todas as vezes que olhava para o véu, imediatamente lembravam: "Porque pecamos, estamos separados de Deus" (Rm 3:23; Is 59:2)

c.Quando o véu se rasgou, Deus proclamou a nós:

1ª.) Que Jesus é o Mediador entre Deus e o homem - 1 Tm 2:5

2ª.) Que Jesus nos reconciliou com Deus - Cl 1:20

3ª.) Que a Comunhão foi restaurada pelo Sangue derramado - Ef 2:13

4. A LIÇÃO DA POSSE DAS BENÇÃOS

a. Quando o véu se rasgou, se abriu a porta do Céu com suas bênçãos.

b. A Bíblia fala de aproximadamente 9 mil qualidades de bênçãos e são todas para nós.

c. Agora atente para isto, a Bíblia nos diz que todas as bênçãos nos são dadas através de Jesus, e que não há benção fora dEle - Jo 1:16; Ef 1:3; Rm 8:32; Fp 4:19

d. - A Benção da Salvação é por Jesus - Lc 19:10

A Benção da libertação é por Jesus - Jo 8:32

A Benção da Vida abundante é por Jesus - Jo 10:10

A Benção da Reconciliação é por Jesus - Jo 14:6

A Benção da purificação é por Jesus - Ap 1:5

A Benção da Luz da Vida é por Jesus - Jo 8:12

A Benção da Completa Redenção é por Jesus - Ef 1:7

A Benção do refrigério e do descanso é por Jesus - Mt 11:28

A Benção da perfeita paz é só por Jesus - Jo 14:27

A Benção da vitória é só por Jesus - 1 Co 15:57

A Benção da proteção e segurança é só por Jesus - Jo 10:28

A Benção do Batismo no Espírito Santo é só por Jesus - Mt 3:11

A Benção da Cura Divina - Is 53:4; At 9:32

A Benção do fortalecimento espiritual é só por Jesus - 2 Tm 2:1; Fp 4:13

A Benção da solução de problemas é só por Jesus - Lc 1:37

e. Repito: O Véu rasgado nos diz que as bênçãos são tuas através de Jesus. Creia nisto!

Esta mensagem foi pregada no púlpito da Assembléia de Deus em Plant City, Florida - USA

Pastor Marcos Antonio

Vim adorar-te - David Quinlan

Seminário Cura Interior - CIA Atibaia


O LENÇO DOBRADO (João 20:7)

Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição?
Eu nunca havia detido minha atenção a esse detalhe.

Em João 20:7 - nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus, não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra.

Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara (João) e disse ela: "Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram."

Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis, mas ele não entrou. Então Simão Pedro chegou e entrou. Ele também notou os lençóis ali deixados, enquanto o lenço que cobrira a face de Jesus estava dobrado e colocado em um lado.

Isto é importante? Definitivamente.

Isto é significante? Sim.

Para poder entender a significância do lenço dobrado, você tem que entender um pouco a respeito da tradição Hebraica daquela época.

O lenço dobrado tem que a ver com o Amo e o Servo; e todo menino Judeu conhecia a tradição.

Quando o Servo colocava a mesa de jantar para o seu Amo, ele buscava ter certeza em fazê-lo exatamente da maneira que seu Amo queria.

A mesa era colocada perfeitamente e o Servo esperaria fora da visão do Amo até que o mesmo terminasse a refeição. O Servo não se atreveria nunca tocar a mesa antes que o Amo tivesse terminado a refeição.

Se o Amo tivesse terminado a refeição, ele se levantaria, limparia seus dedos, sua boca e limparia sua barba e embolaria seu lenço e o jogaria sobre a mesa. Naquele tempo o lenço embolado queria dizer: "Eu terminei".

Eu não sabia a respeito.

Se o Amo se levantasse e deixasse o lenço dobrado ao lado do prato, o Servo não ousaria em tocar a mesa porque o lenço dobrado queria dizer:

"Eu voltarei!"

Ele está voltando! O recado nos foi dado claramente!

Oro para que você seja abençoado com a paz e a alegria em saber que Ele está voltando e isso pode ser muito breve.

Esteja pronto, preparado!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

É amanhã!!!


Ministração para os pais à partir das 14:00hs
Av. São João, 551

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Shavuot - Festa das Semanas

Está terminando em Israel e nas comunidades judaicas espalhadas pelo mundo uma das festas mais significativas do povo judeu: o SHAVUOT, que traduzido significa apenas: "semanas". Exactamente 50 dias após a Páscoa judaica, esta festa instituída no Velho Testamento corresponde ao dia da dádiva da Torah (a Lei) e ao dia preciso da dádiva do Espírito Santo à Igreja em Jerusalém, conhecido como Dia de Pentecoste (do grego).

É por isso de grande importância esta celebração, pois são os 2 dias mais importantes no relacionamento de Deus com o Seu povo: a Lei dada ao Seu povo de Israel no monte Sinai e a nova Lei trazida pela dádiva do Espírito Santo (Ruach) de Deus ao Seu povo universal, agora não mais composto de uma só raça, mas constituído por todos aqueles - judeus e gentios - que confessam e seguem a Jesus como o Messias de Israel.
Neste dia de festa os judeus comem iguarias especiais e ornamentam as suas casas de plantas verdes. As escolas religiosas aproveitam para ensinar os preceitos bíblicos e em Israel são muitos milhares os que procuram passar a noite junto ao Kotel - o chamado "Muro das Lamentações". Os jornais trazem diversas receitas de pratos feitos à base de lacticínios, e nesta época é enorme a variedade e selecção de queijos e outros lacticínios difíceis de encontrar em outras ocasiões.
Por quê comer produtos derivados do leite nesta ocasião?
Uma das principais razões tem a ver com o valor numérico da palavra hebraica para "leite" - chalav - que totaliza o número 40, o número de dias em que Moisés esteve no Monte para receber a Lei. Outra razão tem a ver com o facto de a festa ter sido realizada inicialmente num shabbat, dia em que não se podem matar animais, pelo que pelas regras da comida kosher os únicos produtos que os israelitas teriam comido seriam os derivados do leite, tradição que se mantém até aos dias de hoje.
Que bom seria que não fosse só nestes dias, mas que em todos os dias o povo de Deus se pudesse aproximar mais d'Ele, para que a Sua Palavra e o Seu Espírito pudessem não só habitar mas revelar-se cada vez mais nos nossos corações!

Por Shalom Israel

Barlow girls - Never Alone

Pedidos de oração


Heidy, 9 anos, sua irmã, Ambar Gricet, 2 anos e Juan José (2 meses) moram na Colômbia e perderam seus pais por causa da perseguição. Eles estão morando com os avós hoje. Você pode orar para que Deus dê alegria a essas crianças, e também pedir para Deus cuidar dos avós, para que eles tenham força para criar seus netinhos. Depois de orar, você pode fazer um desenho para eles.

- Em outro lugar da Colômbia, existe um abrigo onde moram 50 crianças e adolescentes, longe de seus pais. Elas saíram de casa porque a família delas foi afetada pela perseguição. Ore por essas crianças, que sentem falta de seus pais e seus irmãos. Peça a Deus para mostrar a cada uma delas que Ele é um Pai bondoso. Ore também pelas pessoas que trabalham nesse abrigo. Depois de orar, você pode fazer um desenho para elas.

- No Paquistão, Huma, que tem 12 anos, foi sequestrada e forçada a se casar com um homem muçulmano de 37 anos de idade. Ore pela mãe dela, para que consiga sua filha de volta. Também peça a Deus para proteger Huma de maus-tratos.

- No Azerbaijão, um país próximo à Rússia, 12 crianças estavam na casa de uma senhora da igreja, ouvindo histórias bíblicas, quando a polícia chegou e começou a interrogá-las. A lei daquele país proíbe o ensino religioso para crianças. Ore por essas crianças, para que não tenham medo de aprender mais sobre Jesus, mesmo que isso seja perigoso.

Cristãos perseguidos VOCÊ SE IMPORTA?
Acesse o site www.portasabertas.org.br e saiba mais sobre a igreja perseguida no mundo.

Igreja Episcopal americana nomeia bispo homossexual

Esta é a segunda vez que um homossexual é ordenado bispo na Igreja Episcopal americana depois da nomeação em 2003 do reverendo Gene Robinson em New Hampshire (nordeste do país).

A eleição de Gene Robinson envolveu a Igreja Episcopal e toda a Igreja Anglicana em uma tormenta, provocando um cisma por parte de algumas dioceses e paróquias conservadoras.

Essa ruptura fez com que a Igreja Episcopal colocasse fim à nomeação de eclesiásticos homossexuais, uma proibição que logo foi retirada.

A Igreja Anglicana conta com 77 milhões de fiéis no mundo todo, sendo 2,2 milhões nos Estados Unidos.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Eyshila - Deus proverá

Crise - terreno fértil para o milagre

Texto:2 Reis 4:1-7

l) PROBLEMAS PODEM SER O METODO QUE DEUS USA PARA NOS FAZAR CRESCER (1 Reis 4:1; Rm. 5:3-4).

1.É na crise que a gente cresce, amadurece e se torna mais úitl para o Reino de Deus.
2. Muitoa vezes Deus permite passemos por determinadas situações para nos ensinar lições que, de uma forma, não aprenderíamos.
3.É na hora difícil que se aprende a nadar para não morrer.

ll)M CASA O MILAGRE DEPENDE DO QUE EU TENHO

1.Para Deus fazer um milagre ele não depende de muita coisa, pode ser uma botija com um pouco de azeite.
2. Opouco na mão do Senhor pode se tornar muito (Veja o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes Jo.6).

lll) O MILAGRE PODE NÃO ACONTECER QUANDO HÁ PROBLEMA DE RELACIONAMENTO COM A VIZINHANÇA. (v.3)

1. Pede vasilhas emprestadas para os teus vizinhos.
2. Relacionamentos quebrados impedem que Deus façUa milagres em nossas vidas.
3. Nós quebramos e reconstrímos nossos relacionamentos.

lV) O TAMANHO DO MILAGRE É PROPORCIONAL AO TAMANHO DA MINHA FÉ (v.3).

1. Fé é um processo de gravidez e parto.
2. Muitas vasilhas, muito azeite, poucas vasilhas, pouco azeite, depende de você.
3. Se Deus disse que vai abrir a torneira aproveite e prepare bastante vasilhas.

V) A FONTE DO MILAGREÉ INESGOTÁVEL (v.6).

1. O azeite parou...(não-acabou).
2.Enquanto houver vasilhas o milagre continua acontecendo.

Vl) NO MILAGRE HOUVE A PARTE HUMANA E A PARTE.

1. Deus age por nós quando fazemos a nossa parte.
2. Fé genuína tem que desembocar em obediência e trabalho.
3. O que você pode fazer, Deus não faz por você.

CONCLUSÃO:

1. Em tempo de crise, bata na porta certa e fale com a pessoa certa.
2. Ainda que seu problema tenha o tamanho do Mar Vermelho ou da muralha de Jericó, creia em milagre.
3. Nunca aceite perder aquilo que é herança do Senhor.
4. Por maior que seja a crise, não faça negócio com o diabo.

Silas Malafaia deixa a CGADB



O pastor Silas Malafaia deixou a Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil (CGADB), na qual ocupava o cargo de primeiro vice-presidente há pouco mais de um ano. O anúncio foi feito no último sábado, 15 de maio, durante o programa Vitória em Cristo, transmitido pela Band. O presidente da Convenção é o pastor José Wellington Bezerra da Costa.


"Eu vou seguir uma visão que Deus me deu. Só o tempo vai mostrar a vocês. Não adianta falar agora e nem eu vou explicar. Eu não vou falar aqui nada. Eu podia falar coisas de deixar o cabelo arrepiado mas não vou fazer nada disso. Eu não vou cuspir no prato que eu comi. Eu não estou pedindo, nem mandando ninguém fazer o que eu estou fazendo. É uma decisão pessoal. Quem sabe, não sei, eu posso até um dia voltar", disse Malafaia sem detalhar o motivo do desligamento.

O líder também destacou que o nome da igreja que pastoreia, a Assembleia de Deus Penha, mudará o nome para Assembleia de Deus Vitória em Cristo, "apenas para tirar o nome de bairro". "Eu não sou pastor da Assembleia de Deus por causa da CGADB, por causa de convenção. Eu sou pastor da Assembleia de Deus porque Deus me chamou", destacou Malafaia que acredita em novos patamares para a sua comunidade. "Eu sei que Deus vai levar essa igreja para algo especial nessa nação. Eu não quero perturbar a vida de ninguém, não quero arrumar problema com ningúem e que ninguém arrume problema comigo. Eu quero paz. Eu quero fazer a obra de Deus. Eu cheguei a conclusão que para a visão que Deus me deu não me interessa participar da CGADB", afirmou.

Além de renunciar o cargo na CGADB, Silas Malafaia também se desliga, contra vontade própria, da CEADER (Convenção Evangélica das Assembleias de Deus no Estado do Rio de Janeiro), uma convenção classificada pelo assembleiano como "extraordinária". "Só estou saindo da CEADER porque o estatudo diz que para ser membro da CEADER tem que ser membro da CGADB", destacou

Por Rei dos Reis

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Humor - A seleção dos Apóstolos


Aprendendo a viver com saúde interior

"E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência, a experiência, e a experiência, a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado." (Romanos 5:3-5).

Sem sombra de dúvida, Paulo era um homem que possuía muita saúde emocional. Segundo os historiadores, ele era calvo e de estatura baixa; suas sobrancelhas eram grossas, e suas pernas, tortas. Somando-se a tudo isso, ele ainda sofria com um problema na vista, que o teria acometido. No entanto, não vemos, em nenhuma de suas cartas, qualquer vestígio de complexo de inferioridade, de baixa auto-estima, de rancor ou de amargura.
Sabe como podemos conhecemos o caráter de alguém e a sua saúde emocional? A partir do modo como essa pessoa se comporta em momentos de sofrimento. Percebemos isso através do equilíbrio, da sensatez e da serenidade de seu comportamento.
Um homem que sabia o que era sofrer.
Com certeza, Paulo sabia o que era o sofrimento. Ninguém que eu conheça diretamente já passou por uma situação assim. É ele mesmo quem descreve o quanto já havia sofrido: "... estou fora de mim para falar desta forma - eu ainda mais: trabalhei muito mais, fui encarcerado mais vezes, fui açoitado mais severamente e exposto à morte repetidas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus trinta e nove açoites. Três vezes fui golpeado com varas, uma vez apedrejado, três vezes sofri naufrágio, e um dia exposto à fúria do mar. Estive continuamente viajando de uma parte, enfrentei perigos nos rios, perigos de assaltantes, perigos dos meus compatriotas, perigo dos gentios; perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, e perigo dos falsos irmãos. Trabalhei arduamente; muitas vezes fiquei sem dormir, passei fome e sede, e muitas vezes fique em jejum; suportei frio e nudez. Além disso, enfrento diariamente uma pressão interior, a saber, a minha preocupação com todas as igrejas". (2 Co. 11.23-28) Apesar de todo sofrimento vivido, quando lemos tudo o que ele escreveu em suas epístolas, percebemos um homem com a alma doce, que expressava a Graça do Espírito Santo de Deus. Veja como isso vasa com naturalidade na sua mensagem à igreja de Éfeso:

"Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia. Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como Deus, em Cristo, vos perdoou". (Ef. 4.31,32)

Três evidências da saúde emocional de Paulo.

Primeira- Consolando, quando devia ser consolado!

Leia o que está em Filipenses 1:4: "Fazendo sempre, com alegria, oração por vós em todas as minhas súplicas". Como Paulo se encontrava naquele momento? Ele estava preso, acusado injustamente, sendo julgado, sem a liberdade de poder ir e vir, cercado por quatro soldados da guarda pretoriana. No entanto, apesar de tudo isso, ele escreve em sua carta: "Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor" (Fp. 3:1). Naquela situação, o esperado era que os filipenses o consolassem, e não o contrário. Apesar de toda aquela provação, é Paulo quem consola os que estavam de fora: "Alegrai-vos sempre no Senhor" (Fp. 4:4). Quem está passando pela prova e consegue dar esperanças aos que estão de fora é dotado de grande equilíbrio mental, pois possui uma alma saudável.
Em nossa igreja, havia um irmão, com pouco mais de 40 anos, sofrendo de câncer. Ele havia perdido todo o cabelo por causa dos medicamentos, e passava seus últimos momentos de vida conosco. Um dia, ele se sentiu um pouco mais forte e sentou-se na beira da cama, e disse: "Senhor, eu te glorifico e te exalto, pelo prazer de te servir na beleza da tua santidade". O corpo daquele homem já estava se definhando, mas a alma estava robusta na presença de Deus. Isso é evidência de uma grande saúde interior. Quando a Bíblia diz: "O ladrão vem para roubar, matar e destruir", e Jesus diz: "Eu vim para que tenham vida" (Jo. 10.10), não quer dizer apenas vida eterna, é qualidade de vida aqui. E isso tem a ver com o nosso interior.

Segundo- Louvando à Deus em meio a dor.

"E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança. O qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior, e lhes segurou os pés no tronco. E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam. E, de repente, sobreveio um tão grande terremoto, que os alicerces do cárcere se moveram
, e logo se abriram todas as portas, e foram soltas as prisões de todos." (Atos 16:23-26).

Paulo e Silas estavam na Macedônia quando encontraram uma jovem que estava possessa por um espírito de adivinhação. A Bíblia narra que essa moça dava muito lucro aos seus senhores. Paulo expulsou aquele espírito maligno. Quando os donos da jovem escrava viram que seu lucro iria embora, criaram uma confusão e conseguiram que eles fossem presos. Perto da meia-noite, Paulo e Silas estavam nus, presos pelos pés, amarrados em um tronco, com as costas ardendo dos açoites que tomaram. Aparentemente, tinham todas as razões do mundo para murmurar. Estavam vivendo sob provação, passando pelo "vale escuro", e o que fizeram? Reclamaram ou murmuraram? Não. Eles oraram e entoaram cânticos de louvor ao Senhor. Aqueles que conseguem se comportar dessa maneira, em meio à provação, sem dúvida, são possuidores de grande saúde emocional.

Terceiro - Apesar das marcas que ficaram, o combate foi bom.

"Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda" (II Tm. 4:6-8).

Nero havia colocado fogo em Roma e, para amenizar uma revolta contra ele no meio do povo, precisava encontrar culpados. A culpa recaiu sobre os cristãos, dos quais Paulo era um líder representante. Daquela vez, Paulo tinha consciência de que não seria solto. Ele mesmo afirmou: "O tempo da minha partida é chegado" (2 Tm. 4.6). Trinta anos de pregação haviam se passado, ele trazia sobre seu corpo as marcas de Cristo. Paulo sabia que seria condenado e que, em breve, a espada desceria sobre sua cabeça. Talvez alguma outra pessoa estaria dizendo: "Não valeu a pena, que vida desgraçada! De que adiantou pregar o Evangelho?". No entanto, Paulo, cheio de saúde espiritual, completa o seu trabalho aqui na terra, com palavras dignas de um herói - um herói da fé, da esperança e da confiança em Deus: "Combati o bom combate! Acabei a carreira! Guardei a fé! Só me resta receber a coroa da justiça!" (2 Tm 4.7,8). Paulo tinha saúde interior!

_______________

Templo Soul e PG - O que há de melhor em mim

sábado, 15 de maio de 2010

Os dois reinos

Segundo afirma o apóstolo Paulo , há dois reinos neste mundo: o das trevas e o da luz. Vejamos o que ele escreve aos Colossenses 1.12,13: "...dando graças ao Pai que nos tornou dignos de participar da herança dos santos no reino da luz. Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o reino do seu Filho amado".

Bem, o que é um reino? É uma comunidade composta por duas classes de pessoas: o rei, que governa, e os súditos, que obedecem e se sujeitam à autoridade do rei. Não pode haver reino sem rei; tampouco pode haver reino sem súditos.

O reino das trevas tem seu rei: Satanás. O reino da luz também tem o seu: Jesus Cristo. Todos nós nascemos no reino das trevas. Adão, em sua desobediência, ao não reconhecer a autoridade de Deus como Senhor e Rei de sua vida, deixa de pertencer ao reino da luz e passa ao das trevas. Desde então, todo homem que nasce da descendência de Adão, nasce no reino das trevas. Falando dos que vivem nas trevas Paulo disse: "...nas quais todos nós costumávamos outrora viver" (Efésios 2.2).

A verdadeira conversão tem dois aspectos, segundo Colossenses 1.13. O primeiro é nos resgatar do domínio das trevas. Ali estávamos, mas Deus nos tirou, nos libertou. Agora somos livres, sim, porém não para tirarmos proveito da carne e dizer: "Bem, antes éramos escravos, súditos de Satanás, agora, porém, podemos fazer o que nos der na cabeça". Se agíssemos assim estaríamos interpretando mal o evangelho de Cristo.

E isto se vê claramente no segundo aspecto da conversão: somos libertos de um reino para sermos trasladados a outro. Deus nos livra do reino das trevas e nos traslada ao reino de seu amado Filho. A verdadeira conversão, em seu aspecto pleno, consiste neste traslado. Por muito tempo pensei que seria transportado ao reino de Deus no dia em que morresse. Que logo em seguida entraria nele. Ou então, que quando Cristo viesse traria o seu reino. Porém Paulo não estava morto, nem Cristo tinha voltado quando disse, usando o verbo no tempo passado para indicar algo já consumado: "Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou ao reino do seu Filho amado...".

A idéia de que algum dia vamos entrar no reino ou que algum dia virá o reino criou em nós uma concepção errada de Cristo. Enquanto ficamos esperando esse dia chegar vemos o Senhor como nosso Salvador, nosso mediador e ajudador. E cremos que somente após sua vinda Ele será nosso rei. Por essa razão encaramos com tão pouca seriedade sua autoridade, o que tem causado debilidade e desorientação em nossas vidas. Cristo deve reinar já. Devemos, necessariamente, ser transportados a seu reino porque a verdadeira conversão consiste nisto: ser liberado de um reino para ser incorporado a outro.

Mas, como se chega a pertencer a um reino? Simplesmente tornando-se súdito do rei. Como entrar no reino de Jesus Cristo? Unicamente permitindo que Cristo venha a ser Senhor e Rei de sua vida.

Se alguém nos perguntasse a que reino pertencemos, certamente nos apressaríamos em responder: "Obviamente, ao reino da luz". Contudo, e isto seja dito sem intenção de lançar sombra sobre esta afirmação, é conveniente esclarecer quais são algumas das características destes dois reinos a fim de nos certificarmos em qual dos dois estamos. Se, em função desta análise você perceber que tem que fazer alguma correção em sua vida será o caso de que persevere em fazê-la; de modo que toda dúvida seja eliminada e que possa, então, seguir a Jesus Cristo com toda fidelidade.

UM REI DECORATIVO

Costumo descrever a igreja contemporânea como "a Inglaterra espiritual". Posso explicar. Restam, hoje em dia, poucos países governados por um regime monárquico. A Grã-Bretanha é um deles. Por perpetuar sua tradição histórica, os britânicos seguem conservando essa estrutura. É o Reino Unido da Grã-Bretanha. Existe um rei - atualmente uma rainha - com seu trono, sua pompa, seu palácio, sua corte, seu séquito. Ela recebe o aplauso, a glória e as homenagens do povo. Sem dúvida, dizem os mesmos súditos: "O rei reina, porém não governa".

O rei é um personagem tradicional, uma figura decorativa. Todos aclamam: Viva o rei! Todos honram sua figura. Porém, este não governa. Não é a autoridade suprema. Há um primeiro ministro, a Câmara dos Lordes e a dos Comuns, e são eles que governam o país como julgam melhor. Não quero dizer com isso que seja bom ou mal o que fazem na Inglaterra: simplesmente desejo explicar porque chamo a igreja de "Inglaterra espiritual".

Na igreja, quem não reconhece que Jesus Cristo é o rei? Qualquer igreja protestante, ortodoxa ou católica, declara: "Cristo é o rei!". Todos dizemos "amém" e lhe entoamos louvores. Mas a triste realidade que vivemos até hoje em nossas igrejas é que Cristo reina, porém não governa. Ele é o Rei, entretanto o primeiro ministro é o que maneja tudo. Deus quer trazer seu reino primeiramente à igreja para logo estendê-lo a todos os demais.

Convém refletirmos um momento. Deus tem prometido salvar as multidões em distintas cidades, povos e nações. Ele disse que derramará seu Espírito sobre toda carne e haverá salvação e todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Os milhares que se converterem serão somados à igreja, à comunidade que já existe. Se entre nós, que já fazemos parte dessa igreja, Cristo não governa, não governará também sobre eles. Daí a ênfase, a insistência do Senhor em que Cristo seja o Rei dessa comunidade, da igreja atual, quem a governa na prática, como também que seja o Senhor sobre todos os aspectos de nossa vida.

A LEI DO REINO DAS TREVAS

Cada nação tem uma lei, uma constituição que rege a vida de seus cidadãos. Isto também ocorre na esfera espiritual. Sei a que reino ou a que nação uma pessoa pertence, pela lei que rege sua vida. O reino das trevas tem uma lei e o reino da luz tem outra. Qual é a lei do reino das trevas? Em Efésios 2.3, o apóstolo Paulo ressalta o sistema que domina aqueles que vivem longe de Deus: "Outrora todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira."

Aqui há uma referência direta aos desejos, à vontade, aos pensamentos de nossa carne, contudo, como podemos identificá-los? Quais são os desejos e os pensamentos da carne? Quais são as vontades da carne? Muitas vezes tomamos a palavra carne como referência ao sensual, ao perverso. Porém, segundo a linguagem da Bíblia, a carne é nossa natureza humana não regenerada, a que herdamos de Adão, nossos impulsos, desejos, pensamentos e vontade própria, que, depois da queda, estão contra a vontade de Deus. O desejo de minha carne é meu próprio desejo, por mais saudável e ingênuo que me pareça. Satisfazer os desejos da carne é fazer o que eu quero; a vontade de minha carne é "fazer o que me dá na cabeça" e os pensamentos da carne consistem em levar à ação tudo o que me ocorrer. Concluo, então, que a lei que rege o reino das trevas é esta: viva como quiser, faça o que lhe der vontade, o que você gosta, o que lhe convém, o que lhe ocorrer.

A LEI DO REINO DA LUZ

O reino de Deus tem uma lei muito diferente: viva como Ele quer.

Viva, sim, como o Senhor manda, como Ele ordena e não como você quer. Que simples, mas enorme diferença isto representa!

Que lei se cumpre em sua vida? A que reino você pertence? Como é a sua vida? Como você quer, ou como Ele quer? Não basta cumprir sua vontade em alguns aspectos da vida; há que cumpri-la em todos os aspectos. Não se trata de obedecê-lo apenas quando nós queremos, mas em qualquer circunstância.

Já não posso mais reger minha conduta; minha vontade deve estar definitivamente rendida a Ele. Já não posso traçar minhas próprias normas dentro da sociedade em que vivo, nem, tampouco, em meu próprio mundo interior. Existe uma única lei que deve me reger: viver como Ele quer. Se em algum momento me encontrasse agindo contra sua lei, imediatamente deveria corrigir-me, dizendo-lhe: "Senhor, perdoa-me; é tua lei que deve cumprir-se sempre em minha vida". Mas se sou atrevido ou indiferente, e faço o que me convém, posso enganar a Deus? As Escrituras declaram (Gálatas 6.7): "Não se deixem enganar: de Deus não se zomba".

E de outra parte Davi exclama (Salmo 139.7): "Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face?" A vida cristã é para ser vivida de frente para o Senhor e à luz de sua presença, com toda transparência. Honestamente, qual é a lei que se cumpre em nossas vidas? Em relação a muitas coisas, fazemos o que Ele quer; mas não é verdade que com respeito a muitas outras, fazemos o que queremos? Então, a que reino pertencemos? Não podemos ficar com um pé de cada lado. Deus quer uma definição para esta situação. Devemos estar inteiramente à sua disposição para viver, sempre, conforme sua vontade.

Seminário "Libertação de Crianças"

Fernandinho & Robortella

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Cristal Lewis - The lion and lamb

A Dios sea la gloria - Julissa

Começa hoje!!!


Não falte!!!
À partir das 19:30 hs
Av. Atibaia, 320

Confie...Espere...



Tg 5.7-11

Sede, pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia.
Sede vós também pacientes, fortalecei os vossos corações; porque já a vinda do Senhor está próxima.
Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta.
Meus irmãos, tomai, por exemplo, de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor.
Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso.


Por Feeh Christina

quarta-feira, 12 de maio de 2010

On my knees - Jaci Velasquez

O Google não satisfaz todas as buscas

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e Deus de toda a consolação, que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, pela consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus. (2Cor 1,3-4)


Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.(Mat 5:3)


A graça do Senhor Jesus seja com todos. (Ap 22, 21)


Por Stephany e Karen

O perdão traz honra

Namorei 7 anos antes de me casar. Na época, "namoro" ainda era uma palavra sem significados plurais, apenas uma fase gostosa de troca afetiva sob o regime rigoroso estabelecido pelo meu sogro.

Meu namoro era meu véu. Nele eu escondia minhas imperfeições. Todo mundo faz isso, não é privilégio meu.

Quando me casei, há 11 anos, revelei meu lado ruim. Todo mundo tem um - é a natureza do pecado. Minha imperfeição se manifesta dia a dia, até no reparo que ainda não fiz da campainha que quebrou. Minha imperfeição transita da campainha ao quarto. Minha esposa o sabe muito profundamente.

Ela também tem suas imperfeições, mas não me cabe expor aqui. É um privilégio somente meu conhecê-las.

O encontro das imperfeições resulta intempestivamente nas cobranças, na insatisfação e até nas mágoas. Digo sempre que o casamento é o campo onde as imperfeições se manifestam. Cada cônjuge é um instrumento de Deus para mostrar um ao outro sua carência de correção; para estimular um ao outro pela busca do aperfeiçoamento descrito por Paulo aos Filipenses 3.12 a 21.

É no âmbito da imperfeição que o perdão se torna necessário. Não haveria perdão sem transgressão; não haveria transgressão sem imperfeição. E se todos temos este lado negativo das imperfeições, um relacionamento não pode sobreviver sem perdão.

O perdão - tanto para quem pede quanto para quem dá - é um poderoso instrumento de honra. Quando peço perdão, reconheço minha fraqueza. Quando ofereço perdão, enobreço a pessoa perdoada. Ambos somos honrados pelo perdão.

A ausência do perdão - tanto para o agressor quanto para o agredido - é um elemento gerador do orgulho. O orgulho, por si só, revela a fraqueza de caráter.

O perdão é a ferramenta para ajustar as imperfeições. Com o exercício do perdão, as imperfeições vão sendo tratadas. O rancor, a ira, o ódio e a decepção agigantam ainda mais a transgressão. O perdão freia.

Já li muito sobre perdão, conheci muita teoria. Mas nada pode ser mais educador do que a prática. Todos os dias tenho que relevar as imperfeições de minha esposa, vendo nela o que Deus vê - uma pessoa de valor inestimável envolta no manto da imperfeição. Uma vez perdoada, desnuda; e tudo o que tem de maravilhoso se expõe. Isso tem que ser prático, não teórico.

Não é necessário esperar atitude de arrependimento para perdoar. Na cruz, Jesus perdoou seus malfeitores sem que eles demonstrassem arrependimento. Na prática, temos que querer perdoar. Tem que estar disposto, no melhor significado desta palavra. DISPOSIÇÃO é sair de uma posição. Se a posição que você se encontra é a da magoa, dispõe-te. Sai dela e perdoa. Você vai notar que cada perdão oferecido enriquece a tua alma.

Perdão caminha lado a lado com o amor. É o amor que insta para o perdão, como afirmou o sábio: "o ódio excita contendas, mas o amor cobre as transgressões". Quem ama perdoa. Quem perdoa já provou que ama. e viverão felizes até que a morte os separe.

Por Aécio Ribeiro

Culto da Galera Shalom


terça-feira, 11 de maio de 2010

Cinco tipos de pessoas na igreja

Texto: Marcos 2.1-12

Introdução: Neste texto, encontramos cinco tipos de pessoas diferentes que podemos ver na igreja.

I) OS DOENTES (O paralítico - Mc. 2:3)

1. Igreja - lugar de cura

2. Em meu nome vocês vão curar, disse Jesus

3. Quem são os paralíticos que precisam ser curados? (1 Co. 11.30)

II) AQUELES QUE CARREGAM OS DOENTES. (Os verdadeiros amigos, Mc. 2:3b)

1. Os evangelistas anônimos.

2. Gente que busca os doentes, que transporta os que precisam de Jesus, que ora, que se doa.

3. Bem aventurado os misericordiosos.

III) OS QUE CRITICAM, PORQUE NUNCA ESTÃO SATISFEITOS. (Os insensíveis, Mc. 2:6,7)

1. Estão na igreja, mas não são igreja. (Pedras de tropeço).

2. Os que mais criticam são os que menos fazem.

3. Quem nada faz, nada vale.

IV) OS QUE APENAS ASSISTEM (Mc. 2:2).

1. Os que estão presentes apenas para ver o que vai acontecer. (Os curiosos).

2. Estão envolvidos e não comprometidos.

3. Não curam, não transportam o doente e não dizem absolutamente nada, os indiferentes e às vezes ainda atrapalham a passagem dos outros.

V) AQUELES QUE CURAM (Os agentes da graça).

1. Em nome de Jesus (Orando)

2. Através da Palavra (Ministrando)

3. Através da comunhão (Salmo 133).

I can only imagine - Mercy me

Se eu pudesse imaginar... Chris Duran

Humor - Judeu moderno conversando com Deus




Judeu: Deus?

Deus: Sim!?!

Judeu: Eu posso lhe perguntar algo?

Deus: Claro!

Judeu: O que é um milhão de anos para você?

Deus: Um segundo.

Judeu: E um milhão de dólares?

Deus: Um centavo.

Judeu: Deus, você pode me dar um centavo?

Deus: Claro, espere um segundo

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Maio - Mês Profético da Frutificação


Mães que geram o Reino de Deus

Quando Deus criou a mulher, Ele planejou que essa mulher foi mais do que simplesmente o meio pelo qual a raça humana viesse se multiplicar.
A mulher não foi criada simplesmente para dar à luz no plano físico.
Deus tem algo mais excelente, de maior valor para a vida da mulher.

Ao longo da narrativa bíblica encontramos muitas mulheres que foram instrumentos de Deus não só gerando filhos, mas gerando o reino de Deus aqui na Terra.

Em I Samuel 1: 10-11 encontramos uma mãe que gerou não somente um filho, mas um profeta:
“Ana, com amargura de alma, orou ao Senhor, chorou muito, e fez um voto, dizendo: Ó Senhor dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres, mas à tua serva deres um filho, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.”

Ana não pediu um filho, pediu um profeta ( estava gerando ali o reino de Deus)

Em II Timóteo 1: 1 a 5 Paulo testifica que duas mulheres geraram o reino de Deus e transmitiram essa semente para a sua descendência - Lóide e Eunice ( Avó e mãe de Timóteo, o seu filho na fé)

No evangelho de Lucas, capítulo 1, o anjo Gabriel aparece a Maria e lhe declara o plano de Deus para a sua vida – era mais do que gerar um filho, era trazer o reino dos céus.

No versículo 38 Maria declara: “Eu sou a serva do Senhor. Cumpra-se em mim segundo a tua palavra...”

Jesus declarou no evangelho de São Lucas 17:21 “...o reino de Deus está dentro de vós”

Em Romanos 14:17 o apóstolo Paulo diz: “...o reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo.”


Gerar o reino de Deus que está dentro de nós requer sempre, choro, esforço, trabalho, dedicação, perseverança e constância.

“Mães que oram, intercedem, ensinam, abençoam e preparam homens e mulheres para o serviço de Deus são geradoras de vida e do reino de Deus”

Feliz Dia das Mães!!!


Pr. Ozéias

sábado, 8 de maio de 2010

Cristina Mel - Mãe

Mãe, Parabéns!!!

Escolhida para guardar, dentro de si,
o dom da vida.
Escolhida para cultivar com carinho
as sementes do futuro.
Escolhida para dar à luz,
aquele pequeno ser
que durante todo o sempre
irá simbolizar o que há de mais
importante e precioso em sua existência...
Escolhida para ser capaz
de viver e de sonhar,
de aprender e de viver,
de proteger e de mudar,
de dizer e de calar,
de sofrer e de lutar,
de vencer e de acreditar,
de sorrir e de chorar,
de sentir e de se emocionar,
de saber o que é amar...
Escolhida para ser capaz de tudo,
até mesmo o impossível
por aqueles que com muito orgulho
irá chamar de "filho".
Escolhida para ser mulher,
escolhida para ser especial,
escolhida para ser ...

Mãe...

quinta-feira, 6 de maio de 2010

A frutificação

“Não fostes vós que escolhestes a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça” (Jo. 15:16).
Propósito deste estudo é de trazer sob a luz da palavra de Deus o que Ele quer de nós seus filhos, fazendo-nos entender o significado da frutificação.

Em alguns textos da Bíblia podemos concluir que FRUTO se refere a pessoas decididas, ou seja, servos que ganham almas e assim cumprem o propósito do Senhor, proclamando as virtudes daquele que nos “...chamou das trevas para sua maravilhosa luz” (I Pe. 2:9).

No entanto, a Bíblia faz uma grande distinção entre frutificação e multiplicação.
Frutificação é o processo anterior a multiplicação. É através do fruto que são geradas as sementes para a multiplicação.

A frutificação é o processo pelo qual a árvore manifesta a sua natureza.
Se somos nascidos "...da água e do Espírito", então produziremos o fruto do Espírito (Gl 5:22-23)

“ Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor”(II Co.3:18).

Devemos num primeiro momento entender que frutificar significa REPRODUZIR A GLÓRIA DO SENHOR EM NOSSAS VIDAS. E, posteriormente semearmos esta Glória!

Deus sempre quis manifestar-se ao homem, mas nunca de forma prepotente e mirabolante, e sim através das nossas vidas! gerando em nós o fruto que manifesta a sua Glória (Galatas 5:22) “Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade.
23 a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei.”


Observamos que nesta passagem o termo FRUTO está no singular, isso significa que a manifestação de Deus nas nossas vidas é uma só que produz muitas virtudes! É como abrir uma laranja e separar seus vários gomos. FRUTIFICAR — É MORRER PARA MULTIPLICAR

“Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo caindo na terra não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. Jo. 12:24)”.

Frutificar é manifestar o caráter de Cristo em nós!!!

Pr. Ozéias

Humor


Hillsong - At the cross

Quando vamos acordar?

Podemos sentir dores de parto em nosso corpo;

Podemos transformar nossos cultos em verdadeiras manifestações de Deus com risos, choros e palmas?

Podemos sentir dores de parto em nosso corpo para gerar pessoas, ministérios e nações?

Devemos trocar nossas perguntas e dizer como uma igreja não percebe a presença de Deus, a visão dos anjos; como as pessoas não vivem naturalmente o sobre natural de Deus?

Como podemos participar de cultos sem a presença de Deus e sem as manifestações do Espírito Santo e agir como ele estivesse lá?

Como podemos viver um evangelho frio e sem paixão com muitos planos e pouca unção,com idéias, mas sem coração,com muita organização, mas com mãos de homem?

Como podemos viver sem se colocarmos na brecha a ponto de morrer para gerarmos vida?

Quem de nós é mais louco?

O sobre natural de Deus deveria ser o natural em nossas vidas...


POR A.L.S.C

Seminário de Cura Interior - Ministério Voz de Louvor


Telefones de emergência




• Quando você estiver triste, ligue: João 14

• Quando pessoas falarem de você, ligue: Salmos 27

• Quando você estiver nervoso, ligue: Salmos 51

• Quando você estiver preocupado, ligue: Mateus 6: 19, 34

terça-feira, 4 de maio de 2010

Another time, another place - Avalon

Relacionamentos doentes




Sempre que uma mulher é espancada, acontecem em geral duas coisas:
1) - Ela vai se sentir a pior das criaturas;
2) - Ele vai se sentir o mais forte dos seres humanos (se é que um sujeito desses pode ser chamado de humano);

O grande objetivo de uma agressão física é “diminuir” o agredido e exaltar o agressor. Quando um homem não consegue mais argumentar com palavras e o seu caráter e conduta estão distorcidos por algum motivo, ele resolve surrar uma mulher. Geralmente, eles são homens covardes, medrosos e inseguros. Covardes porque não conseguem tocar em outro homem, mas na frente de uma mulher frágil, sofredora e em geral apaixonada por eles, se sentem seguros e fortes.
Muitas mulheres não admitem as agressões para não perderem seus parceiros. Acreditam que se ficar com estes homens, mantendo relações doentias em silêncio, mesmo assim ainda poderão ser felizes. Engano delas. Quanto mais permitem que os outros as machuquem, mais feridas ficarão. Denunciar abuso é uma obrigação de todas as mulheres, independente se os seus agressores forem maridos, namorados, noivos ou apenas “casos”. Independente também se esses calhordas agressores forem cristãos, tiverem filhos, empregos ou qualquer outro tipo de “desculpa” para livrá-los da cadeia, onde deveriam estar.
Mágoa, ódio, vingança e desvalorização são os demonstrados pelas mulheres vítima de agressão. É uma dor não física que transcende o corpo, é uma dor profunda na alma. Algumas ainda têm expectativas: casar, ter filhos, concluir os estudos, auxílio da justiça e acreditam na possibilidade de um acompanhamento psicológico. Por fim acreditam na superação do trauma inclusive por meio do Evangelho de Cristo. Conforme vários estudos, as mulheres que sofrem abuso físico ou sexual, seja na infância ou na idade adulta, correm riscos mais elevados de terem problemas subseqüentes de saúde, tanto imediato como em longo prazo.
Acredito que em primeiro lugar uma mulher precisa se amar. Ninguém pode amar outra pessoa se não se amar primeiro.

Há apenas duas coisas (lembrando o início da postagem), que precisamos fazer para manter um casamento feliz e completo.

1) - Maridos, amai as vossas esposas (isso não inclui surrar, agredir ou humilhar. Se ele amar você JAMAIS irá lhe agredir. Amar é priorizar o prazer e a felicidade da esposa antes do dele) - Efésios 5:25

2) - Mulheres, honrai seus maridos (isso não inclui aceitar todo tipo de agressão física ou psicológica, se sujeitar ao marido não é apanhar, ser humilhada. Sujeitar-se é honrar, amar e ser amada. É ser fiel e priorizar o prazer e a felicidade dele antes que a sua) - Efésios 5:22