Seguidores

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Diga ao justo: "Tudo lhe irá bem...!!!"

“Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.
Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal”.  
                                                                                                                   2 Coríntios 4:6-11

“Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas”.                                                                                                                                                       2 Coríntios 4:16-18

 “Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas”.   Salmos 34:19    
     
“Estou convencido de que os sofrimentos desse presente tempo não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada.” Romanos  8:18

Todos os textos acima confirmam que os justos passam por muitas aflições. A pergunta que logo nos vem à mente é: Por que o justo sofre? Há um propósito da parte de Deus para o seu sofrimento?
Examinando esses textos com cuidado, vamos observar que sempre a aflição do justo redunda em glória.

As escrituras enfatizam inúmeras vezes que o justo tem destino glorioso, futuro glorioso e herança gloriosa. Mesmo no momento da adversidade, da prova o justo é consolado, fortalecido e sempre terá livramento.

O Salmo 112:6 diz que o justo não será abalado. Essa é uma característica do justo – ele tem convicção, certeza de sua fé, é alicerçado, fundamentado.

O apóstolo Paulo faz uma declaração poderosa que deve ser o nosso maior exemplo de convicção: “Nem a fome, nem a espada, nem a morte, nem altura, profundidade, largura pode nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus”

A limitação do vaso e a glória de Deus

"A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza" 2 Coríntios 12:9

"Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte."                                                                                                                     2 Coríntios 12:10 

O Salmo 1:6 afirma que Deus conhece o caminho do justo. Ele por onde o justo já passou, onde está passando e onde passará. Ele tem conhecimento prévio de nossa história, nossos medos, traumas, nossos fracassos, mas também conhece nossos sonhos, o nosso amor para com Ele.

E por conhecer todas as coisas, por ser onisciente, Ele exorta o profeta Isaías no capítulo 3 e versículo 10 com a seguinte orientação: 

Diga ao justo: Tudo lhe irá bem..”.



sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Espírito x carne - Quem vence?

“Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si...”, Gálatas 5: 17.

Nesse exato momento há uma guerra incessante acontecendo na vida de cada um de nós: O Espírito Santo que habita em nós versus a nossa carne.

Carne não significa o corpo, a matéria gerada e concebida por uma mulher e sim a natureza humana. As obras da carne são pecados manifestos através do corpo, conforme Gálatas 5:19-21.

O corpo é apenas o meio, o instrumento usado para satisfação tanto da natureza humana como do espírito, conforme Gálatas 5:16 e 24.
É na mente que esta batalha se trava. A nossa psiquê é o campo de batalha.

É na nossa mente que as vontades pessoais, a razão humana e tudo que é advindo dela luta incansavelmente contra o Espírito.
São duas vontades distintas travando um duelo incessante em nossa mente. 

Observe o que disse o apóstolo Paulo: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim, não porém o efetuá-lo. Porque não faço o bem que eu quero, mas o bem que não quero, esse faço” Romanos 7:18-19

Para que o Espírito de Deus sempre vença a carne em nossa vida é necessário que aprendamos a depender de Deus, ouvir a Sua voz e, principalmente, encher-se Dele.


Só seremos vencedores quando nos rendermos inteiramente a Deus e nos deixarmos ser controlados, governados pelo Seu Espírito. Daí, a nossa velha natureza será mortificada e o Espírito de Deus se tornará Senhor de nosso ser.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Colocando a casa em ordem

“Naqueles dias Ezequias adoeceu de uma enfermidade mortal; e veio a ele o profeta Isaías, filho de Amós, e lhe disse: Assim diz o SENHOR: Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás. Então virou Ezequias o seu rosto para a parede, e orou ao Senhor. E disse: Ah! Senhor, peço-te, lembra-te agora, de que andei diante de ti com fidelidade, e com inteireza de coração, e fiz o que era reto aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo”.  Isaías 38:1-3

O rei Ezequias padecia de uma doença incurável e, somando-se a isso, ainda estava sendo atacado por um rei inimigo. O rei da Assíria, Senaqueribe, queria destruir Jerusalém e o povo de Deus. Era um momento de grande aflição para o rei Ezequias.

Estamos diante de um homem que estava para ser morto pelo rei da Assíria e, se assim não fosse, morreria de uma doença mortal. Aqui apresenta-se um quadro de total falta de perspectiva. No entanto, Ezequias conhecia a seu Deus e também conhecia o poder da oração.

Fiado nisso, ele se dirige a Deus alegando as suas razões para viver. O teor de sua oração é a reposta que precisamos para entender o significado da expressão colocada por Deus na boca do profeta Isaías – “casa em ordem”.

Estar com a casa em ordem significa três coisas, coisas essas que o rei colocou diante de Deus:

Primeiro: “ ...andei diante de ti com fidelidade”

Segundo: “...eu andei com inteireza de coração”

Terceiro: “...eu fiz o que era reto aos teus olhos”

Quando a casa está em ordem o milagre acontece

Deus atentou para a oração e para a vida de Ezequias e como resposta lhe livrou das mãos de Senaqueribe e o curou de uma doença mortal. A manifestação gloriosa da resposta de Deus se deu quando o relógio de Sol de Acaz retrocedeu em dez horas.

Mais adiante o rei Ezequias louva a Deus pela sua justiça:

“Eis que foi para minha paz que tive eu grande amargura; tu, porém, amaste a minha alma e a livraste da cova da corrupção, porque lançaste para trás de ti todos os meus pecados”  Isaías 38:17


quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Arrependimento não é remorso

Os profetas, João Batista em especial, Jesus e os apóstolos tinham como tema central de sua pregação o arrependimento. Hoje em dia, quase não se fala sobre o assunto, razão pela qual não se sabe nem sequer o que é arrependimento.
A menção do arrependimento é parte importante na pregação cristã, como referido em Lucas 5.31-32, Atos 2.38, Atos 3:19, entre outros.
O arrependimento que a Bíblia menciona não é meramente reconhecer o pecado e lamentar suas consequências. O arrependimento que a Bíblia apresenta traz a tristeza pelo pecado cometido, traz a disposição de abandoná-lo e a humildade de confessar e comprometer-se com Deus.
A tristeza que o arrependimento provoca tem a capacidade de curar e converter alguém de um caminho a outro, traz mudança de direção, produz frutos de justiça.
Existe uma diferença básica entre remorso e arrependimento.
O primeiro abre feridas, mas a pessoa não é curada. O segundo abre feridas, mas há cura e restauração.
 Percebe-se facilmente que um pecador quer ser perdoado sem arrependimento quando ele atira pedras para todos os lados, culpa as circunstâncias ou terceiros.
A convicção do pecado cometido e o arrependimento antecedem obrigatoriamente o perdão. O pecador que reconhece a necessidade do perdão de Deus não se defende, não acusa os outros.

“Eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue. Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me. Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe”.  Salmos 51:3-5.

sábado, 5 de dezembro de 2015

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Agradecimento ao Ministério Voz de Louvor

Queremos agradecer a Igreja Ministério Voz de Louvor, pela recepção e pelos dias maravilhosos que tivemos.

Foram 3 dias de muita palavra e revelação do Senhor.

Obrigado a todos que nos acompanharam neste Seminário de Escatologia.

Em breve DVD gravado nestes dias.



Ótima semana.

Instituto Edificar

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Restaurando as portas da alma

As Portas representam o lugar de decisão em nossa mente. Elas são uma parte muito importante da alma. É nelas que decidimos quem por ela terá acesso para entrar ou sair. As portas são o lugar onde exercemos nossa vontade, nossas escolhas e decisões.

Assim como as portas de Jerusalém, elas também precisam ser restauradas. O homem deve ter a vontade livre para quando disser “não” ao inimigo e “sim” para Deus, essa decisão tenha autoridade e firmeza. Daí a importância da restauração da vontade, pois ela estando livre, nada conseguirá subjugá-la, ou seja, nem a carne, nem o mundo, nem o diabo.

Vamos olhar cada porta restaurada e compará-las com nossa vida e então analisarmos qual a necessidade de restauração que há em nossa mente.

1. Porta das Ovelhas (Ne. 3:1) - Era a porta por onde passavam as ovelhas destinadas ao sacrifício no templo. Fala da restauração do louvor e adoração em nosso ser. Fala também que devemos nos considerar ovelha. Devemos se permitir ser apascentados e cuidados.

2. A Porta dos Peixes (Ne. 3:3)- Era a porta por onde entrava o pescado, o alimento. Fala de crescimento através da boa alimentação. Fala do sustento que a palavra de Deus pode nos dar. Devemos ter fome da Palavra de Deus.
 
3. A Porta Velha (Ne.3:6) – É a porta das lembranças. É aqui que devemos nos despojar das marcas que trazíamos em nosso caráter, a velha maneira de pensar e os hábitos incompatíveis com uma nova criatura.
 
4. A Porta Do Vale (Ne. 3:13) – Era por essa porta que se passava para chegar ao vale de Hinon, lugar em que os filhos de Israel sacrificavam seus filhos ao ídolo Moloque. Restaurar essa porta representa tirar todo ídolo fora, tudo aquilo que está acima de Deus na nossa vida, seja dinheiro, trabalho, bens materiais, pessoas, ou qualquer coisa do tipo.
 
5. A Porta Do Monturo (Ne. 3:14) - Essa era a porta por onde o lixo era removido. Precisamos estar abertos para a ação do Espírito Santo em nossa alma. É Ele que remove sentimentos e lembranças que nos causam infortúnio e destruição.
 
 6. A Porta da Fonte (Ne. 3:15) - Fonte fala de águas que correm. Representa o mover do Espírito Santo em nossa vida. Há nas Escrituras uma expressa advertência para nos enchermos do Espírito Santo, não entristecê-lo e nem O extinguir em nossa vida. Sem a ação Dele é impossível ter vida cristã.
 
7. A porta do Cárcere (Ne 3:25) - Era a porta que dava para o pátio da prisão. Devemos ser livres de toda prisão espiritual. Há muitos crentes que ainda estão presos a amargura, ressentimento, ódio, vingança, medo, entre outros. Se não houver uma firme decisão de libertar-se, essas prisões poderão acompanha-lo por toda a vida e até paralisá-lo impedindo o propósito de Deus em sua vida. 

8. A Porta Das Águas (Ne. 3:26) – É a porta da Palavra. É aqui que permitimos que a palavra de Deus se revele, nos transforme e nos guie. É aqui que decidimos obedecê-la, anuncia-la e vivê-la.
 
9. A Porta dos Cavalos (Ne. 3:28) – Era porta por onde entrava toda carga na cidade. É a porta por onde passam os fardos em nossa vida. Ela deve estar aberta para Jesus. Todos os fardos devem ser lançados sobre Ele. A Bíblia diz para lançar sobre Ele toda a nossa ansiedade por que ele tem cuidado de nós.


10. A Porta Oriental (Ne.3:29) – É a porta pela qual JESUS entrou, e que hoje se encontra fechada. Espera-se que o Messias novamente por ela em Sua segunda vinda. Essa porta representa a esperança que temos na sua volta.


11. A Porta da Guarda (Ne. 3:31) – Fala de vigilância, prontidão, responsabilidade. Somos responsáveis em anunciar e viver o Reino. É a porta do compromisso com Deus.


12. A Porta de Efraim. (Ne. 8:16) - Efraim era o segundo filho de José, mas recebeu a bênção de Jacó, como se fosse o primogênito. Fala da posição privilegiada que temos diante de Deus. Exorta-nos a não abrirmos mão dessa condição, dessa posição. A benção da primogenitura é inegociável. Não devemos trocar, vender ou fazer qualquer negócio que envolva esse direito.


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A preeminência de Cristo

"Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim."     João 5.39

No Gênesis, ele é a semente da mulher.    

No êxodo, ele é o cordeiro pascal.
                                                                                                                                                
No Levítico, ele é o sacerdote , o altar e a oferta.  

Em Números ele é o pilar da nuvem de dia e o pilar do fogo a noite.                                                                                                                                                                                                              
No Deuteronômio, ele é o profeta, como Moisés. 

Em Josué, ele é o capitão da nossa salvação                                                                                                                                           
Em Juízes, ele é o nosso juiz e legislador .  

Em Rute, ele é o nosso parente redentor                                                                                                                                             
Em I e II Samuel ele é o profeta.  

Em Reis e Crônicas, ele é o rei prevalecente                                                                                                                                   
Em Esdras, ele é o reconstrutor das muralhas destruídas da nossa vida. 

Em Neemias, ele é o nosso restaurador                                                                                                                                              
Em Ester o advogado intercessor.  

Em , ele é o nosso redentor imortal                                                                                                                                           
Em Salmos, o nosso pastor.  

Em Provérbios, nossa sabedoria                                                               

No Eclesiastes, a nossa esperança e ressurreição. 

No Cântico dos Cânticos, o noivo amável                                                                                                                                        
Em Isaías, ele é o servo sofredor. 

Em Jeremias, ele é a descendência justa                                                                                                                                         
Em Lamentações, ele é o profeta que chora.  

Em Ezequiel, ele é aquele que tem o direito de governar                                                                                                            
Em Daniel, ele é o companheiro na fornalha.  

Em Oséias, ele é o marido fiel que nunca deixa de amar                                                                                                              
Em Joel, ele é aquele que batiza com Espírito Santo e com fogo.  

Em Amós, ele é o restaurador da justiça                                                                                                                                           
Em Jonas, ele é o missionário estrangeiro. 

Em Miquéias, ele é os pés dos que trazem boas notícias                                                                                                           
Em Naum, ele é a nossa fortaleza em meio as desgraças. 

Em Habacuque, ele é meu Deus, meu salvador                                                                                                                               
Em Sofonias, ele é o rei de Israel. 

Em Ageu, ele é o anel do sinete                                                     

Em Zacarias, ele é o humilde rei montado num jumentinho. 

Em Malaquias, ele é o filho da retidão                                                                                                                                          
Em Mateus, ele é Deus conosco.  

Em Marcos, ele é o filho de Deus                                                                                                                                                   
Em Lucas, ele é o filho de Maria, sentindo o que você sente. 

Em João, ele é o pão da vida                 

Em Atos, Jesus é o Salvador do mundo.  

Em Romanos, ele é a justiça de Deus                                                                                                                                             
Em I Coríntios, ele é a ressurreição. 

Em II Coríntios, ele é o Deus de todo o consolo                                                                                                                            
Em Gálatas, ele é a nossa liberdade. 

Em Efésios, ele é a cabeça da Igreja                                                                                                                                                  
Em Filipenses, ele é a nossa alegria. 

Em Colossences, ele é a perfeição e tem a preeminência                                                                                                           
Em I e II Tessalonicenses, ele é a nossa esperança. 

Em I Timóteo, ele é a nossa fé                                                                                                                                                            
Em II Timóteo, a nossa estabilidade.  

Em Tito, ele é a verdade                                                                                                                                                                       
Em Filemon, ele é o nosso benfeitor.  

Em Hebreus, ele é superior a toda a criação                                                                                                                                    
Em João, ele é poder.  

Em I Pedro, ele é exemplo                                                                                   

Em II Pedro, ele é pureza. 

Em I João, ele é a vida                                                                                 

Em II João, ele é nosso exemplo. 

Em III João, ele é a nossa motivação                                          

Em Judas, ele é o fundamento da nossa fé.  

No Apocalipse, ele é o rei vindouro                               

Ele é o primeiro e o último , o princípio e o fim. 

Ele é o guarda da criação e o criador de tudo                                                                                                                                                                        
Ele é o arquiteto do universo e também o administrador de todas as épocas                                       

Ele sempre foi, sempre é, e Ele sempre será impassível, inalterado, invicto e jamais será arruinado                                      

Ele foi ferido e nos trouxe a cura                                                                                                                                                         

Ele foi trespassado e nos trouxe alívio a dor. 

Ele foi perseguido e nos trouxe a liberdade. 

Ele morreu e nos trouxe a vida.                                                                                                                                                                   Ele ressuscitou e nos traz poder. Ele reina e nos traz paz                                                                                                             
O mundo não pode compreendê-lo.   

Os exércitos não podem derrotá-lo                                                                                

As escolas não podem explicá-lo.  

Os líderes não podem ignorá-lo                                                                                           

Herodes não pode matá-lo 

Os fariseus não podiam enganá-lo                                                                                               

As pessoas não podiam detê-lo.  

Nero não pôde esmagá-lo.  

Hitler não pode silenciá-lo                                                     

A Nova Era não pode substituí-lo.  

Ele é vida, longevidade e Senhor                                                                                         

Ele é bondade, benevolência , suavidade e Deus.  

Ele é santo, justo, imenso, poderoso e puro                                      

Seus caminhos são retos, suas palavras eterna.  

Suas leis imutáveis e sua mente está em mim


“Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;   porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele.  Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas; também ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência,  porque aprouve a Deus que nele habitasse toda a plenitude,  e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus”.     Colossences 1: 15-20

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Restaurando as portas da alma

As Escrituras, quando se referem sobre a reconstrução dos muros de Jerusalém, mencionam as doze portas da cidade:

Porta das Ovelhas, Porta do Peixe, Porta Velha,  Porta do Vale, Porta do Monturo, Porta da Fonte, Porta do Cárcere, Porta das Águas, Porta dos Cavalos, Porta Oriental, Porta de Mifcade e Porta de Efraim 

“De tudo que era muito amado pelo Senhor, nada mais seria do que a sua cidade e as suas portas (Sl.87:2,3; 147:12,13).

Se isso é relevante para Deus, deve ser de igual modo importante para nós. Os judeus e os cristãos são convidados a orar pela paz de Jerusalém sob a promessa de prosperidade aos que a amarem! (Sl.122:6)”. 

Há várias figuras contidas no livro do restaurador Neemias que nos trazem preciosas lições.

A reconstrução do templo - O Templo é o lugar de adoração. Nosso espírito é transformado no templo de DEUS, quando passamos pela experiência do  novo nascimento, e é nele que adoramos a Deus, movidos pelo seu Espírito.

A reconstrução dos murosMuros significam proteção, limites. É o que separa o interior do exterior. Eles representam a nossa personalidade, nossa alma, as nossas lembranças, sentimentos, memórias. Muros com brechas ou derrubados nos deixam vulneráveis à investidas de inimigos
Por isso a importância de termos muros alicerçados e conservados. Isso representa a alma que é tomada por bons pensamentos, boa visão, esperança, amor e, sobretudo paz.

A reconstrução das portas – Representam o lugar das decisões em nossa alma. São as escolhas que fazemos. É onde decidimos o que entra e o que sai. É onde temos o controle sobre o que terá ou não acesso na nossa mente. Portas caídas ou destruías falam de incapacidade de decidir, falta de domínio próprio, desgoverno da alma.

É interessante observar a importância de se restaurar as portas de nossa alma, visto que a vontade é o fator determinante para o sucesso no processo de restauração, libertação e cura.
É nas portas que se exerce autoridade, se faz escolhas e se toma decisões. Por isso, a relevância da restauração das portas da alma.
Quando se tem uma alma livre, nem a carne, nem o pecado, nem o inimigo podem controlar ou governar a sua vida. Você se torna imune as investidas malignas.
 
Muitas vezes somos inconstantes, vacilantes, indecisos, inseguros, sem determinação, sem propósitos; sentimo-nos fracos, impotentes. São portas que estão queimadas, destruídas. 
O processo de restauração se dará forma gradual e progressiva; não será da noite para o dia, não será num passe de mágica, mas será consistente e definitivo.
 
O inimigo tentará te resistir até que você aprenda a exercer firme autoridade contra ele e seus pensamentos sejam mudados, passando da insegurança para a firmeza e autoridade que se acha em Deus. Isso pode levar algum tempo, até que sua mente seja totalmente renovada e o medo e insegurança já não mais façam parte de sua alma.
 

Nunca se esqueça que temos o Espírito Santo que nos ajudará em todas as nossas lutas, então seremos vitoriosos, viveremos em liberdade.

sábado, 31 de outubro de 2015

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Lançando flechas... até o milagre acontecer

E Eliseu estava doente da enfermidade de que morreu, e Jeoás, rei de Israel, desceu a ele, e chorou sobre o seu rosto, e disse: Meu pai, meu pai, o carro de Israel, e seus cavaleiros! E Eliseu lhe disse: Toma um arco e flechas. E tomou um arco e flechas. Então disse ao rei de Israel: Põe a tua mão sobre o arco. E pôs sobre ele a sua mão; e Eliseu pôs as suas mãos sobre as do rei.  E disse: Abre a janela para o oriente. E abriu-a. Então disse Eliseu: Atira. E atirou; e disse: A flecha do livramento do Senhor é a flecha do livramento contra os sírios; porque ferirás os sírios; em Afeque, até os consumir.  Disse mais: Toma as flechas. E tomou-as. Então disse ao rei de Israel: Fere a terra. E feriu-a três vezes, e cessou.  Então o homem de Deus se indignou muito contra ele, e disse: Cinco ou seis vezes a deverias ter ferido; então feririas os sírios até os consumir; porém agora só três vezes ferirás os sírios.  II Reis 13:14-19

O texto acima afirma que o profeta Eliseu estava doente. Embora estivesse debilitado em sua saúde física o seu homem interior se renovava a cada dia. Mesmo velho e doente estava cheio de unção, autoridade e visão espiritual.

O Rei Jeoás vai consulta-lo em meio aos seus problemas que parecem insolúveis. O choro do jovem rei era o indício de um coração atemorizado, desesperançado e a beira do fracasso eminente.

A nação estava sendo oprimida pelo rei da Síria.  O seu exército estava reduzido a quase nada -  só haviam sobrado 50 cavaleiros, 10 carros e 10 mil homens a pé.  

Tão logo o rei se achegou ao profeta, esse, cheio de unção lhe propôs um ato profético:  Põe a tua mão sobre o arco, disse Eliseu e em seguida ele mesmo coloca as mãos sobre a mão do rei. Aqui há uma clara simbologia de benção paterna, de envio, de respaldo espiritual.

A segunda ordem dada pelo profeta é no mínimo intrigante: “Abra a janela do oriente”, ou seja, abra  janela do lado onde o sol nasce, onde começa o dia; novo dia, novo tempo, coisas novas, não vividas, não experimentadas, um novo começo, uma nova chance, uma esperança, uma saída, uma luz .
Lembre-se que a cada manhã, quando o sol nasce, as misericórdias de Deus se renovam sobre nós.

Janela aberta, nova visão.  É hora de atirar as flechas... e assim foi. Disse o profeta: Atira as flechas. São as flechas do livramento, são flechas da tua vitória, as flechas do sobrenatural, as flechas do milagre.

Lançar flechas significa lançar palavras, sentenças, decretos, palavras proféticas. Trazer a existência o novo pelo poder da palavra.

Tú ferirás os teus inimigos em Afeque, até os consumir. Afeque é a tua fortaleza, é o teu lugar seguro, o teu refúgio, o lugar da tua vitória. Afeque é um tempo, um lugar preparado, um lugar determinado por Deus.

Porque abrir a janela? 
Ninguém pode profetizar o que não viu. Profecia é precedida de revelação (visão).

Jeremias 1:10 –“ Te ponho sobre nações e reinos para arrancar, para derrubar, para destruir, para arruinar, para edificar e para plantar”. (Eu coloquei na tua boca a palavra – a palavra já está em você)

Mas antes de profetizar... O que você vê? Uma vara de amendoeira
“Vistes bem” - Você está vendo o que eu vejo – então pode profetizar

E Eliseu disse atira!!! E o rei atirou... uma .... duas... três vezes e parou. 
Então o profeta de Deus se indignou e disse: cinco ou seis vezes deverias ter atirado e então destruirias os siros por completo, mas agora só os vencerá três vezes.  ( II Rs 13: 22-25). A sua vitória seria completa.

Não pare de profetizar, não desista. Embora pareça que nada tem surtido efeito, continue. Creia! Persevere!

Deus sempre diz o que vai fazer.

Isaías 62:1-2 – Por amor de Sião não me calarei, por amor de Jerusalém não me aquietarei até que brilhe a sua retidão como a aurora e a sua salvação como uma tocha acesa.

Deus sempre diz como vai fazer

Isaías 62:6-7 Ó Jerusalém, sobre os teus muros eu pus guardas; jamais se calarão, nem de dia nem de noite. Vós os que invocais o nome do Senhor, não descanseis, nem haja silêncio em vós, até que eu restabeleça Jerusalém e a ponha por louvor na terra.

“Seja boca de Deus nessa geração”

Se enchendo da palavra para profetizar (gerar) o teu milagre.

Você se enche daquilo que fala, verbaliza ( Não se embriaguem com o vinho... mas encham-se do Espírito Santo falando entre vós com salmos, hinos e cânticos espirituais. Efésios 5:18-19)

Ezequiel 47 – Águas que curam, que trazem milagre

Palavra (água)  que sai do altar, do lado direito (autoridade), até encher totalmente o teu ser, até te envolver, até que o templo (você) esteja cheio.

 Quando sair de você produzirá milagres, curas, ressurreição, abundância. Você passará a ser um agente de milagres.

“Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva". João 7:38